Acabou… Ufa!

Não, não serão permitidos comentários neste post. Eu quero falar e não estou afim de ouvir. Claro, você também tem o direito de não ler, oras.

Que semana dura, Deuses… Aliás, as semanas andam bastante árduas.

A cada Sexta-feira, mesmo trabalhando em casa recebo o final de semana com alívio e satisfação. E este não é diferente.

Nem tudo é como a gente quer, diz aquele ditado.

Mas já faz tempo que eu planejo e não está sendo como eu planejo. Ok, há alguma falha em algum canto e até já detectei algumas. Mas a mais importante é a minha inaptidão para lidar com os elementos inesperados. Contingência para isso, é o que eu deveria ter (nossa, falei igual ao Yoda).

A semana começou com a Laura doente, seguiu com a minha garganta e o peito piorando devido a uma friagem do final de semana passado e termina com a Cleo internada.

Hj tive que pedir extensão do prazo do trabalho. A garganta e o peito doiam demais, não dava pra suportar, tive que tomar medicação e pra poder continuar ‘de pé’. Estou ficando resfriada uma vez por mês praticamente. Preciso rever isso também, não estou dormindo bem e isso afeta o sistema imunológico e o organismo.

A diversão novamente começa a se tornar chateação.
Não posso exigir de ninguém que haja como eu, mas eu simplesmente não suporto algumas coisas. Cada vez mais tenho certeza de que conviver com seres humanos é uma tarefa que nem sempre estou disposta a cumprir ou suportar. É, suportar é a palavra.

Mas, nós vivemos em sociedade e existem pessoas boas. Assim como existem aquelas inconvenientes.
Planejo descansar no final de semana. Senão a ‘bola de neve’ desta vai aumentar na outra e vai ficar praticamente insuportável. Eu chego lá.

Uma atualização sobre a Cleo, enviada pelo Jorge por e-mail:

“O ultrassom revelou que nenhum órgão foi prejudicado, exceto os rins. Eles estão menores e com formação não padrão, mas não sabem dizer se sempre foi assim ou ficaram assim. Eles também estão com pontos de calcificação (ou algo parecido), que faz com que não funcionem bem.

Ela está tomando soro direto, justamente pra tentar fazer os rins funcionarem na marra, e alguns medicamentos para impedir que as toxinas que os rins não estão filtrando ataquem outros órgãos como o estômago.

O tratamento neste momento é soro constante para ver se os rins voltam a trabalhar direito e filtram o sangue. Outro exame será feito no domingo para ver se o nivel das toxinas baixou, indicando que está melhorando.

O caso é grave, e se fosse num ser-humano seria caso de transplante.
Ela está bem abatida, e mal se moveu no tempo em que estive por lá. Só levantou num momento para fazer xixi….o que é um bom sinal mostrando que os rins estão funcionando…..só é preciso ver se estão funcionando direito (que o exame no domingo dirá).”

E como dizia o Cid Moreira: “Boa noite.”

Uma gatinha entanto…

Essa é a Cleopatra, ou para nós que a conhecemos bem, Cléo.

A Cleo foi encontrada pela minha comadre Lia. Ela se escondeu dentro de um pneu cheio de água que existia num canto na empresa onde a Lia trabalhou e a dona da empresa queria jogar ela na rua. Ela era apenas um filhotinho abandonado e assustado.

A Lia a recolheu e levou para seu apartamento. Mas lá já morava uma senhora chamada “Miau” que tinha tolerância zero com outros felinos. E a coitadinha apanhava quando tentava entrar da lavanderia para o apartamento.

O Jorge a adotou então. Ele passava muito tempo em seu apartamento e a Cleo foi para lá para lhe fazer companhia. Isso aconteceu há uns 11 anos. Ela foi a primeira e por isso, é minha enteada. Depois vieram mais quatro e esses são ‘nossos filhos’ (meus e do Jorge).

Ontem a Cleo foi para o hospital veterinário e como estava sem comer a dois dias, ela ficou internada.

Hoje, as informações fornecidas são que, depois de alguns exames foi detectado que dois componentes estão absurdamente acima do padrão, indicando que os rins não estão funcionando. Vão fazer um ultrassom para verificar como eles estão e por enquanto a recomendação é mantê-la internada, pelo menos por 48 horas, forçando a hidratação para ver se os rins voltam a funcionar.

Ela sempre foi muito carinhosa e companheira. Eu, que praticamente sempre trabalhei em casa enquanto era casada com o Jorge, tinha a companhia dela quase o dia todo. No inverno principalmente ela costumava ficar no meu colo enquanto eu trabalhava no computador. E tirar bons cochilos comigo na cama nas tardes modorrentas de Domingo.

Não sabemos o que vai acontecer com ela. Só quero que seja o melhor e que ela sofra o menos possível.

Não sei também quem lê este blog. Mas mesmo assim, peço que orem por ela.

Uma ‘amiga’ tão fiel e querida merece o melhor.

Mas infelizmente o melhor nem sempre é o que mais queremos…
Força Cleozinha… Amamos você.

He’s back, Jim…

Bom.  Ele voltou. 🙂

O problema? Aparentemente o problema estava no meu CD de instalação do Windows, pois o técnico conseguiu reinstalar o sistema operacional. Na verdade, ele formatou o HD e instalou, que era o que eu estava tentando fazer e não conseguia.

Ele parece bem, está funcionando normal, reinstalei o básico logo que ele chegou e vou instalando o restante conforme precisar.

De certa forma foi bom. Meus e-mails estavam tão confusos que eu não sabia mais nada. Agora zerou tudo.

Perdi algumas coisas que por pura incompetência eu deixei no HD errado (tenho outro HD onde guardo todas as coisas, exatamente pra evitar perdê-las no caso de pau no HD principal).

Seguimos em frente, observando o comportamento da criança.

Colinha pra eleição – Parte 2

Obrigada a todos que comentaram sobre a colinha pras eleições. 🙂
Já que estamos na semana da mesma, vamos repetir o post para ficar mais fácil pra quem quiser usar.

Cola para votar

Clique com o botão direito sobre a imagem e salve em seu computador. Imprima e preencha a mão mesmo.
Se você tem um pouco mais de habilidade com editores de imagem, preencha no computador e imprima depois. 🙂

E não posso deixar de mencionar as dicas deixadas nos comentários do post original pois existem outros locais onde você pode fazer sua colinha. O Fernando falou do Cola Voto e a Josinha mencionou que o TRE do Rio Grande do Norte também trazem um esqueminha.

Eu não testei nenhum deles, porque já tenho a minha. 😀
Mas temos opções, não precisamos ficar dependendo dos candidatos e seus ‘santinhos’ já preenchidos. 🙂

Não importa em quem você vai votar. E tá, é ridículo que somos ‘obrigados’ a exercer um ‘direito’ (afinal, se é ‘direito’, não deveria ser obrigação… enfim). Então, vamos fazer consciente, certo?

“He’s dead, Jim.”

Tudo começou ontem de tarde.
Fui buscar a Laura na escola, dei uma olhadela e ele estava bem. Ativo e brilhante como sempre.
Almoçamos, fiquei brincando com ela na sala. Então, resolvi passar um tempo com ele também.

A primeira coisa diferente foi o contato. Não havia contato. E a perda do contato demandava uma observação mais detalhada. Foi o que fiz. Examinei cuidadosamente toda sua aparência e seu estado físico. Melhor começar de novo.

E então, tudo estava perdido.

Ele entrou num looping desesperado, recomeçando e recomeçando. O guincho contínuo foi apavorante. Melhor puxar todo o equipamento vital da tomada.

Silêncio.

Eu fiquei estressada. Ele também deve ter ficado. Melhor deixar ele descansar, depois tentar de novo.

De noite, novas tentativas, frustradas. Ficou petrificado, congelado no Modo de Segurança!!!! Se recusou a formatar a partição! Travou na instalação do sistema operacional.

Pânico! Pânico!!! Perigo dr. Smith… Não tem registro… Não tem registro….

“Melhor falar com alguém que entende mais do que você…”, recomendou a melhor amiga.
O especialista não era exatamente especialista no caso dele. Mas ajudou como pôde. Até meia-noite batalharmos arduamente para recuperar toda a estabilidade. Sem sucesso.

Fui dormir exausta e desanimada. Um novo dia poderia trazer melhores oportunidades.

Mas só depois do café. Nada é mais importante que o café, já dizia a Capitã Kathryn Janeway. Sábia essa mulher (aviso: piadinhas sobre mulheres ao volante perdendo naves em quadrantes não serão aprovados).

Após o café, revigorados, reiniciamos a batalha para recuperar meu querido companheiro.

“Droga, Jim, não sou técnica de hardware, sou tradutora!”

Erro de IRQ_NOT_EQUAL……… bla, bla, bla whiskas sachê. Bendito seja o google entre os mecanismos de busca da Internet!

Novas tentativas, aceitou formatar, mas agora apita MEMORY_FAIL.

“He’s dead, Jim.”

Lá foi meu pc para a assistência técnica. *suspiro*

Eleições… outro site de colinha

Então. 🙂

Além da ‘colinha’ que eu fiz e postei AQUI, você pode ir no site http://www.colavoto.com.br.

A dica foi do Fernanndo que deixou um comentário no post. 🙂

Pão de queijo e gelo

O barulho começou fraco. Ela olhou discretamente pela janela enquanto teclava no computador com um amigo.

O telhado de fibra de vidro reverberava feito milho se transformando em pipoca e o céu escuro era amedrontador.

Os cães deveriam estar apavorados, mas ela não queria deixá-los entrar em casa. Ainda havia a criança de 2 anos e ela não se entende bem com os cães.

Subiu pela escada dos fundos e chegou na lavanderia, os cães vieram apavorados ao seu encontro e ela ajoelhou no chão, abraçando-os. O ruído agora era ensurdecedor, o granizo aumentara de tamanho, a chuva se intensificava e ela se perguntou se aquele telhado aguentaria aquelas pedradas todas.

Os cães estavam molhados, tremiam de medo… ou de frio, não havia como saber. Ali ajoelhada e abraçada a eles, ela observava as pedras que rebatiam nas paredes e entravam na parte coberta onde eles estavam. Eram muito maiores do que uma pipoca estourada.

Os cães agora iam e voltavam mais nervosos e aflitos. Ela os chamava, sua voz se perdia no ribombar do granizo nas telhas de fibra de vidro, mas os cães voltavam.

A menina! A menina sozinha na sala assistindo tv. Os cães precisariam esperar um pouco.

Ela desceu correndo e encontrou a menina na sala… Criança cheia de vida, sorriu e voltou a olhar a tv, assistindo seu programa favorito. No pratinho ao lado, alguns pequenos pães de queijo que compunham seu lanchinho da tarde.

Uma explosão e faíscas iluminam a janela da sala. Alguma fiação no poste da rua estourara e o estrondo fora grande.

A criança, nesse momento, rolou em seu colchão na sala e pegou mais um pão de queijo.

A luz pisca e oscila, mas não apaga. Os personagens coloridos correm na tv diante dos olhos dela.

A porta do quarto é aberta e os cães descem apavorados… A chuva começa a recuar.

A criança olha para sua almofadinha no chão, pisoteada pelo cão e faz careta. Pega e a coloca no colchão, senta de novo e volta a assistir a tv. A chuva para, os cães retornam para o andar superior.

O resultado é, montinhos de pedras de gelo nos cantos da varanda.. Dois cães ensopados… O vizinho da frente provavelmente sem luz…

A criança?

Comendo pão de queijo e assistindo tv, oras. Nada é mais importante do que seu programa favorito… 🙂

Droga, Jim. Eu sou humano e não vulcano!

Esta semana foi mais tranquila do que as anteriores, embora meus picos de ansiedade tenham oscilado mais.

Muitas coisas ‘rolando’ em segundo plano, idéias para serem concretizadas, planos para o futuro muito distante, planos para o futuro próximo… E no final eu queria que tudo se resolvesse pra ontem… Óbvio.

Nessas horas eu preferia não ter sentimentos ou poder desligá-los. Pra ajudar a manter o foco nas coisas que eu preciso fazer em vez de ficar brigando comigo pra ‘pousar’ e prestar atenção no que tenho que fazer.

É óbvio que o mais divertido é ficar pandilhando por aí, gastando horas na Internet e lendo meus e-mails.

Mas o trabalho, além de engrandecer ‘o homem’, põe dinheiro na conta pra pagar mais contas… E eventualmente, agraciarmos a nós mesmos com algum mimo, afinal, trabalhamos também para isso.

Tem dias que acho maravilhoso sentir e sentir intensamente, que é o meu caso. Eu sou daquelas pessoas que sente tudo MUITO intensamente. É excelente para coisas alegres e boas. Péssimo para coisas tristes e ruins. Ainda bem que faço terapia e posso jogar as frustrações nas mãos de alguém que depois me devolve pra eu mesma resolver.

Aliás, é isso que envolve a terapia. Você vai lá, conversa com alguém que ouve você, eventualmente faz perguntas para entender a forma como você pensa e te devolve o que você disse de uma maneira que você possa entender e ver coisas que não tinha visto antes, podendo assim resolver a questão. Mas essencialmente, tudo depende da gente mesmo. O psicologo, terapeuta, não importa, não vai resolver as coisas pra mim. Essa pessoa é uma facilitadora para que eu tente me entender e resolver meus problemas. E às vezes, até dizer pra mim coisas que eu já sei mas preciso ouvir dos outros.

Nós humanos somos realmente engraçados nesse sentido. Sabemos as coisas e o que temos que fazer, mas precisamos ouvir dos outros às vezes.

Às vezes eu preferia ficar dentro da minha concha… Não, não sou uma pérola (numa linguagem bem popular, pérola é cocô da concha… *risos*), na verdade é parte da insegurança que eu sinto e me faz querer isso.

Ainda bem que de uns bons tempos para cá, tenho vencido essa vontade e encarado o que preciso.
Mas nem sempre é fácil. Aliás, nem sempre não. NÃO é fácil.

Lidar com expectativas, sejam elas as minhas (e que são as mais exigentes, eu mereço!) ou dos demais gera mais sentimentos, mais idéias e mais minhocas. Preferia menos minhocas.

Chega, hora de trabalhar.

Resumo da semana…

Esta semana se desenrolou mais tranquila. Confesso que consegui assumir efetivamente o controle de algumas coisas que andavam soltas e isso me deixou mais calma.

FERIADO
A viagem no feriado foi ótima, com direito a festa surpresa de aniversário (e daí que foi um mês depois, foi fofo do mesmo jeito), com supresa para um aniversariante (“Captain on the bridge!”), disciplina e muuuuitos cochilos gostosos durante a tarde. O ar seco não ajudava muito mas, como em todo 07 de setembro, choveu, a umidade do ar melhorou e todos puderam enfim respirar aliviados, literalmente.

E-MAILS ACUMULADOS
Ah, não li todos não. E só pude dar uma boa olhada ontem, mas mesmo assim, selecionei por assunto e marquei todos como lidos. Não dá pra fazer tudo ao mesmo tempo e nem acompanhar tudo como gostaria. Então, melhor fazer o que dá e procurar desencanar do que não pode ser feito. Incrível como a segunda é bem mais difícil do que a primeira.

NÃO DÁ PRA ABRAÇAR O MUNDO…
Eu sou eu e os outros, são os outros. Esta afirmativa que parece óbvia e ululante é também difícil de trabalhar às vezes. Para mim, algumas coisas são óbvias e inerentes diante de responsabilidades que eu assumo.
Seria tão bom se todos pudessem ser organizados dessa maneira…
Melhorei muito. Antes eu saia ‘abraçando’ tudo que não estava do jeito que eu queria, independente de eu poder ou não arcar com isso. Agora eu consigo respirar e separar o que realmente eu posso fazer em casos específicos.
Mas se tem algo que eu detesto é cliente que não dá instruções adequadas e depois, fica devolvendo trabalho pra corrigir coisas que poderiam ter sido feitas daquela maneira no processo de tradução. Isso é irritante!

CASA DE FERREIRO, ESPETO DE PAU…
Precisamos ficar atentos ao que temos ao nosso redor e bem debaixo dos nossos focinhos. Temos verdadeiras preciosidades dentro de nossas próprias casas e às vezes, acabamos banalizando pra não enxergar nossos próprios erros. É mais fácil jogar a culpa nos outros do que olhar nosso reflexo e vermos o que erramos. Aí, depois que perdemos é que vem a valorização.
Não, não é lá em casa, tudo vai muito bem, obrigada.
São algumas coisas que andei vendo ‘por aí’ e me deixam perplexa e até revoltada às vezes.

E FALANDO EM LÁ EM CASA…
Se tem algo que ninguém vai ler aqui são indiretas pra terceiros quem quer que sejam. PRINCIPALMENTE para os dois anjos maravilhosos com quem resido. Não mando recadinhos através do meu blog, acho isso patético e covarde. Eu falo a quem tenho que falar, cedo ou tarde. Quem já passou por isso sabe que é verdade.
Quem não passou, pode ser que sua vez esteja chegando… <risada maléfica>

MEU COMPORTAMENTO ESPELHA A SUA LIDERANÇA
Este trechinho é dedicado a todos aqueles que de alguma maneira, tem a responsabilidade de estarem diante de um grupo e o fazem com maestria. São pessoas que me inspiram a seguir em frente, seguir seu exemplo e fazem com que eu possa dar de mim o melhor a elas e ao(s) grupo(s) em que participo.
Todos tem seus defeitos e qualidades, pois somos humanos.
Mas eu pego as qualidades e uso de modelo. Obrigada a vocês por colaborarem cada um a sua maneira.

Chega, hora de trabalhar.

Tchau semana passada!

A semana passada foi um verdadeiro terror.
Boa parte foi consequência de atitudes (ou falta delas). Mas foi um horror.

Eu não via a hora do feriado chegar, para poder descansar um pouco. Mesmo tendo trabalho com prazo de entrega para o meio dele, viajar e poder sair de SP um pouco sempre me revigora. Recarrego as baterias e volto renovada.

Algo interessante que aconteceu na semana passada foi ver ‘cavalinhos’ na avenida Cruzeiro do Sul.

Cavalos na av. Cruzeiro do Sul

É, cavalinhos mesmo, com policiais em cima usando aquele capacete dourado com crina de cavalo em cima. Acho muito bonito. Acredito que estavam treinando para o desfile de ontem. É algo muito bonito de se ver, os cavalos caminhando ou trotando. E tinha cavalo pra caramba, atééééé perder de vista! 😀

Fileira de cavalos... Eram tantos!

Foto do celular é ruim mesmo, eles estão no lado esquerdo da foto! 🙂

Depois disso, de noite, a Laura passou mal. Nossa, foi um susto enorme.
Eu merecia um descanso.

Ele veio no feriado, após eu encerrar o trabalho. Dormi bastante e procurei desencanar dos problemas.

Agora, vamos nessa que temos muito o que fazer! 🙂

« Older entries Newer entries »

%d blogueiros gostam disto: