Princess Leah’s Angels (English post)

Princess Leah Lucia Rachel Esquenazi

Long time ago, in a Country far, far away…
(Prepare yourself, this is a loooong and emotional post)

Note: the ‘italic’ text is ‘me’ thinking to myself. 🙂

In fact it was not so long time ago. But the Country is far away from mine.

I read a post from Mand’alor Novall Tallon telling Mercs donated some amount to DSB’s daughter fund.  “What is it?”, but sure, I didn’t say this way. I asked about it and Falin Skirata answered telling about it. “Where is it?”, I asked and he gave me the link of Princess Leah Diaries.

And so, that’s how everything began and Leah entered into my life and I started a cruzade with other virtual friends to help this little one.

Baby Leah, or, Princess Leah as she is worldwide known now (you’ll know below why) is 4 months old. 55 days now in the Intensive Care Unit. I won’t tell more here because this will be repetitive as you can Google ‘Princess Leah’ and you’ll find LOTS of pages talking about her now. And believe me, we (everyone involved on the process) were working hard to do it until someone who I don’t recall the name (Diane? Damn lack of memory) now could get the attention of KTLA tv which picked up the story and aired an spot about it last week, with Zev “DeltaSquadBoss” and Francesca “Cmdr Foxy” Esquenazi (the parents) talking about the problem.

Leah has a misterious illness. 40 Doctors, many tests, analysis and etc and nobody does not know what her problem is.

You cannot cure what you don’t know, right? So, they are treating the symptoms while doing their best to find the cause of this little one issues.

Backing to when Falin sent me the link, I read the blog and I remembered the very first two days of Laura. She had respiratory issues when she was born and she spent two days in a Pediatric Intensive Care Unit. Those two damn it days came back to my mind while I was reading again the blog. The parents were there (at that time) almost 44 days, I guess. My heart got that hard pain from two days and multiplied by 40 (easier to round things when calculating). Tears rolling into my eyes, I called my cousin, Laura’s father and told about the story. And later, when my sister arrived home, I told her too. We three discussed about Leah during the supper. “A children should never suffer like that. Parents should never have to pass through this…”, my sis said. I had to agree with her.

She promptly donated to Princess Leah Donation page created by Jason “Skygunbro” Watson. But this was not enough to me.

Almost 6 years ago, my father passed away. He spent almost 60 days in coma. Just to resume, I had experienced enough time at one ICU to understand Leah’s parents situation. The ‘alarm’ thing coming from those machines, the numbers there… that beep sounding… No, it was not enough for me donate money. I need to do something else…

But what can I do from here? They are there far above in the USA and here I am, down in Brazil.

Sent Leah’s name to my Reiki group. Yes, nice thing! The group is sending Reiki to her, this helps a lot.
Share Falin’s props raffle link and Jason’s donation page link. Sure, what Star Wars fan wouldn’t like to joint that raffle? More than 30 prizes (at that time, now they are more than 40, I gues)… Great! Few friends donate too, awesome!

What else…? Hm… If I just could gather many people to pray for her. A kind of group to create a chain of good vibration and energies to give support to the parents and sure, the baby. Nobody thinks about the parents at first. We think about the baby. Everybody will be praying for the baby, but whomelse will support the parents? Oh, they have relatives for sure. But I’m not their relative and I want to help.

A quick talking to Falin about my idea and he suggested me to ask Boss, or better, Zev (Leah’s father) about it.

We exchanged few messages and some clicks later, ‘Princess Leah’ group was born. Closed at first, to keep Esquenazi family safe, few people were invited, another few joined. When we were about 37 guess I think the engines started, people using network (Facebook, Twitter, Emails, Telephone…). We opened the group to allow more people join and help spread the word. So came the KTLA tv… And everything started pop around, replicated, shared and whatever.

Great! We got the attention we wanted, maybe now some Doctor can see her problem and help find the cure.

The family faced some security issues so we closed the group again. Now, new membership is not allowed, just by indication of some member or if we can track the proper link between the people and one of the parents/friends/member of the group.

I noticed today (thinking about all good things the group could get for Leah and her parents) that’s the second time in my life I’m involved in something really good, gathering many people to focus in a positive manner to help someone in need.

During my life I was member of or created many groups inside the fandom (Star Wars and Lord of the Rings were the ones where I’m more experienced, but I was also part of a James Bond staff group). I always donated my time, efforts, actions and things to make these groups grow up, get the properly attention, help them creating and organizing events for them. Just to see other fans like me smiling with something I would like to join and have fun with. This brings lot of trouble, friendships broken or hard discussions with good friends, nights working to reach the deadline of one event… and etc.

One thing that I always wanted to do as a member of a group is helping people. Some of the groups which I’m member of give me this opportunity when costuming for charity. These are the actions I like most than others. I was always proud of being member of these groups because of their charity purposes.

Now, I’m member of something bigger: about 170 some people together working to help and support Esquenazi family. And it’s not bigger because of the number of people involved, but because it’s a REAL cause. It’s not related to that egoic thing that reaches most of costume clubs and makes people act as if they were the best because of the costumes they own,  forgetting the real purpose behind the costume: charity.

Leah is teaching me lots of lessons. Giving the proper importance and put efforts into what is really important and worths most. She is teaching me to put the priorities on their properly places, give just the enough importance to things, evaluate my life, what I’m doing here and what I can do for others. But I think the most important lesson she taught me at all is that there are good people in the world, who can do amazing things together “just” because of a little girl which ‘almost all of them’ just saw by picture. Leah, you are showing me that the World is not lost at all! There’s people who wants to make it better, and awesome, they have kids and probably, they are educating their children to be as good as they are. And so, we’ll have more good people in the World and maybe… one day things will be better for everybody. Even if I won’t be here to witness it. Thank you Leah. I really had lost my faith in the human kind, in the world. But you made me change my mind. All I can do in exchange, is what I’m doing for you, for your parents. And I would do more if I could, really. But I’m also learning with you that I need to give one step at time, tomorrow is another day, one day each time. It does not matter how much time I take to, but I will reach the target.

Thank you, little one. If Princess Leah’s Angels exist, it’s because you made me think that I could do something bigger than just ‘pray’ for you. You made me think that I can make the difference when I thought I had nothing new to see but just live my life.

And this is really important for someone like me, but one day I tell you.
(And I know Ginger or someone else will pick all my mistakes and help me to correct this post… *smile*)

Frani, Zev and Leah (picture by Anabel Caldera)

Anúncios

Feliz dia do Orgulho Nerd!

Parte da minha foto publicada no Estadão/JT, caderno Divirta-se

Dia 25 de maio de 1977. George Lucas, aquele ‘tiozinho’ de barba e camisa xadrez revolucionou a história do cinema levando ao público “Star Wars, A New Hope” (Uma Nova Esperança, em português). Criou uma saga que arrebatou gerações, a minha principalmente. O mito do herói e a dualidade bem x mal representada num roteiro ‘capa e espada’ se desenrolando em um universo de ficção-científica. Ele não foi o primeiríssimo. Seria injusto não mencionar Gene Rodenberry, criador de Star Trek (Jornada nas Estrelas) que durante todas as temporadas da chamada Série Clássica lutou bravamente contra preconceitos, patrocinadores, baixas verbas para trazer para a televisão o que inspirou muitos diretores (inclusive o próprio George Lucas, caso alguém não saiba) a criarem seus grandiosos projetos que conhecemos hoje.

George Lucas e uma de suas camisas xadrez. Ao lado de Temuera Morrison como Jango Fett

“Há muito tempo atrás, numa galáxia, muito, muito distante…” é o quote inicial de todos os filmes de Guerra nas Estrelas, que se tornou ‘Star Wars’ com o advento da ‘nova trilogia’. De repente, o 1º, o 2º e o 3º filme não eram mais o IV, V e VI, mas agora, I, II e III. Para mim, se disserem ‘o primeiro’, eu sempre vou pensar em A New Hope. Porém, o meu bom senso me faz perguntar: “Ameaça Fantasma ou Nova Esperança?”. E eu não ligo pra cara feia de quem me olha com desdém como se fosse heresia eu perguntar isso. Eu pergunto, oras pipocas. Pode parecer coisa de velho, mas NO MEU TEMPO só tinha 3 filmes e começava no IV, portanto, eu sempre vou considerar o IV como sendo PRIMEIRO. Porque ele foi o primeiro, oras.

Todo mundo fala que Star Wars é futurista. Principalmente pelo quote “Há muito tempo atrás, numa galáxia, muito, muito distante…”

O fato de dizer ‘há muito tempo atrás’, não significa que está ‘na frente’ do nosso tempo. Pode ter sido ainda ATRÁS do nosso tempo, mais atrás ainda.

Agora temos a moda ‘nerd’. Ser nerd é legal. Big Ban Theory, a série que muitos de nós amamos, se tornou um sucesso imenso, três dos protagonistas visitaram nosso país.

É muito difícil separar o que é ser nerd, definir nerds entre outras coisas, como vêm sendo feito.

Se o carinha aparece vestido de armadura de trooper ele é nerd? Só porque foi passear de armadura no parque do Ibirapuera em São Paulo? Rapaz, sabem há quanto tempo esse tipo de coisa é feito e ninguém saia em capa de revista?

Sem desmerecer o Caio Komatsu, grande amigo nerd e “trooper do trem”, muito antes dele pegar trem vestido como troper, meu amigo Roberto Moriama já fazia isso para ir aos eventos sem ter que carregar a mala grande que guarda a armadura.

Neste caso, não é demérito do Caio, porque ele curte vestir a armadura e sair com ela por aí. Ele se diverte com isso. Assim como meu amigo Moriama, como meus amigos Eduardo Canha, Liko Ono, Siclair, outros que já andaram de metrô inclusive. O Caio foi um dos primeiros a ser documentado fazendo isso. E foi muito legal.

Mas vestir uma armadura, sair na capa de revista porque foi passear no parque fazendo gracinhas, PRA APARECER não é ser nerd, poderia ser o George Lucas de armadura, que ele não seria nerd (já o Steve Sansweet, eu não duvidaria, já que ele é o maior colecionador do mundo de itens de Star Wars, e guarda tudo no seu “Rancho Obi-wan”, que pode ser visitado virtualmente AQUI. 🙂 )

Steve Sansweet e parte da sua pequena coleção no "Rancho Obi-Wan"

O QUE É SER NERD?

Estão me fazendo esta pergunta hoje. Ainda mais depois de eu ter saído NA CAPA do Estadão no final de semana, juntamente com outros amigos nerds, como a Juliana Couto (que foi quem me indicou ao Estadão), do grupo Ars Mediaevalis.

Juliana Couto, minha querida amiga 'Edoras' ou 'Dama do Lago'

O link para a matéria no site está AQUI.

Capa do Estadão dia 20/05/2011

Capa do caderno Divirta-se do JT. Destaque para minha foto com armadura mandaloriana. 😉

 Eu costumo dizer que ser nerd é mais do que uma questão de estilo. Não é vestir a camiseta do Batman, do Lanterna Verde, uma camiseta com Star Wars, Star Trek ou algum filme, simplesmente POR VESTIR. Você comprou aquela camiseta porque gosta daquele tema e ele significa algo pra você. O assunto que você gosta (ou os assuntos, porque a maioria dos nerds é ‘polinerd’, isto é, gosta de MAIS de um tema) é apreciado por você e tem um significado. Você gosta muito daquilo, a ponto de querer expressar isso de alguma maneira, que pode variar desde colecionando itens sobre o tema, usar camisetas com imagens relacionadas ao tema e até mesmo se vestir como personagens do tema, que é o meu caso.

Minhas maiores paixões envolvem Star Wars, Senhor dos Anéis, Star Trek e James Bond. São 4 universos que me atraem muito, gosto deles, li livros (exceto Star Trek) e conheço o assunto de maneira ‘intermediária para avançado’. 😀

Mas eu gosto de outras coisas como animes, séries de tv e etc. etc. etc.

No caso de Star Wars, eu coleciono mais livros e gosto de me vestir como os personagens, o que é popularmente conhecido por ‘cosplay’. Coisa que, pra MUITA GENTE MESMO, é rotulado como ‘pagar mico’.

Pra esses, eu só tenho uma resposta: esse sentimento de ridicularização só sente quem realmente tem vergonha de usar um traje. No mais eu sou feliz, paga mico quem me diz, porque eu estou me divertindo e SEMPRE QUE POSSÍVEL, isso envolve alguma ação social.

Exceto o grupo de James Bond, onde o foco do grupo não envolve ‘vestir-se’ como personagens, os demais todos tem essa característica e é muito bem vista. Não temos vergonha de vestir o personagem e quando vestimos, vestimos não só o traje, mas o comportamento e a expressão do personagem. As crianças principalmente, nos veem como esses personagens e esperam de nós o comportamento que eles teriam. Dez anos fazendo isso já me deram muita experiência pra lidar com essas situações e eu continuo amando cada vez mais.

Os grupos que participo: Rebel Legion, Mandalorian Mercs, Império Comando RJ e Blades Saber Team todos envolvem o uso de trajes e participação de membros trajados em eventos. Sejam eventos simples, para pura diversão ou eventos onde somos convidados a participar e em troca, pedimos cestas básicas para serem doadas à entidades carentes. Ano passado conseguimos mais de 60 cestas básicas em participando em eventos ou em eventos organizados.

Em resumo, como disse no Facebook hoje respondendo a pergunta “Porque você tem Orgulho de ser nerd?”

Porque nunca me importei com modismos e sempre fui muito feliz expressando as coisas que gosto, seja usando trajes dos personagens que adoro, seja encontrando amigos ou ‘lutando’ com sabre de luz. Eu sou assim e nunca deixei que isso me mudasse. 🙂

Indo além, não deixei que o preconceito que sofri de amigos me fizesse desistir do que gosto para ‘me encaixar’ num grupo. Aguentei muita tiração de sarro sim, mas por mais triste que ficasse, procurava ignorar. Hoje, aos 40 anos, acredito ter ganho o respeito desses amigos antigos que ‘não entendiam’ lá meu jeito, achavam isso infantil ou etc, e até da minha família (meus sobrinhos ficaram orgulhosos da foto no jornal, meu tio mandou o jornal pra minha mãe… Enfim…).

O que antes era ridículo perante os demais, agora se tornou natural. Isso eu acho bom por afinal, me incomoda menos. Não recebi UMA MENSAGEM tirando sarro por eu ter saído na capa do jornal vestida como Jedi. Melhor ainda, amigos que não são nerds me parabenizaram também. Isso para mim foi muito mais significativo do que ter aparecido no jornal em si. Essas pessoas foram atrás da matéria pra tentar entender o que é ser nerd e porque eu estava ali, na capa do jornal representando ‘todo um universo de fãs’ no Brasil inteiro.

Voltando ao título do post, hoje então, dia 25/05 é considerado o dia do Orgulho Nerd. A data veio do lançamento do Episódio IV, Uma nova Esperança. Foi também encampada para o Dia da Toalha, em referência ao ‘Guia do Mochileiro das Galáxias’ de Douglas Adams, que diz que o item essencial que todo mochileiro deve ter em sua mochila é A TOALHA. É a data de nascimento de Douglas Adams. Aliás, se você não leu o Guia do Mochileiro das Galáxias, LEIA! É muito divertido.

Enfim, obrigada pelos peixes!

E que a Força lhe dê uma vida longa e próspera.

%d blogueiros gostam disto: