Princess Leah’s Angels (English post)

Princess Leah Lucia Rachel Esquenazi

Long time ago, in a Country far, far away…
(Prepare yourself, this is a loooong and emotional post)

Note: the ‘italic’ text is ‘me’ thinking to myself. 🙂

In fact it was not so long time ago. But the Country is far away from mine.

I read a post from Mand’alor Novall Tallon telling Mercs donated some amount to DSB’s daughter fund.  “What is it?”, but sure, I didn’t say this way. I asked about it and Falin Skirata answered telling about it. “Where is it?”, I asked and he gave me the link of Princess Leah Diaries.

And so, that’s how everything began and Leah entered into my life and I started a cruzade with other virtual friends to help this little one.

Baby Leah, or, Princess Leah as she is worldwide known now (you’ll know below why) is 4 months old. 55 days now in the Intensive Care Unit. I won’t tell more here because this will be repetitive as you can Google ‘Princess Leah’ and you’ll find LOTS of pages talking about her now. And believe me, we (everyone involved on the process) were working hard to do it until someone who I don’t recall the name (Diane? Damn lack of memory) now could get the attention of KTLA tv which picked up the story and aired an spot about it last week, with Zev “DeltaSquadBoss” and Francesca “Cmdr Foxy” Esquenazi (the parents) talking about the problem.

Leah has a misterious illness. 40 Doctors, many tests, analysis and etc and nobody does not know what her problem is.

You cannot cure what you don’t know, right? So, they are treating the symptoms while doing their best to find the cause of this little one issues.

Backing to when Falin sent me the link, I read the blog and I remembered the very first two days of Laura. She had respiratory issues when she was born and she spent two days in a Pediatric Intensive Care Unit. Those two damn it days came back to my mind while I was reading again the blog. The parents were there (at that time) almost 44 days, I guess. My heart got that hard pain from two days and multiplied by 40 (easier to round things when calculating). Tears rolling into my eyes, I called my cousin, Laura’s father and told about the story. And later, when my sister arrived home, I told her too. We three discussed about Leah during the supper. “A children should never suffer like that. Parents should never have to pass through this…”, my sis said. I had to agree with her.

She promptly donated to Princess Leah Donation page created by Jason “Skygunbro” Watson. But this was not enough to me.

Almost 6 years ago, my father passed away. He spent almost 60 days in coma. Just to resume, I had experienced enough time at one ICU to understand Leah’s parents situation. The ‘alarm’ thing coming from those machines, the numbers there… that beep sounding… No, it was not enough for me donate money. I need to do something else…

But what can I do from here? They are there far above in the USA and here I am, down in Brazil.

Sent Leah’s name to my Reiki group. Yes, nice thing! The group is sending Reiki to her, this helps a lot.
Share Falin’s props raffle link and Jason’s donation page link. Sure, what Star Wars fan wouldn’t like to joint that raffle? More than 30 prizes (at that time, now they are more than 40, I gues)… Great! Few friends donate too, awesome!

What else…? Hm… If I just could gather many people to pray for her. A kind of group to create a chain of good vibration and energies to give support to the parents and sure, the baby. Nobody thinks about the parents at first. We think about the baby. Everybody will be praying for the baby, but whomelse will support the parents? Oh, they have relatives for sure. But I’m not their relative and I want to help.

A quick talking to Falin about my idea and he suggested me to ask Boss, or better, Zev (Leah’s father) about it.

We exchanged few messages and some clicks later, ‘Princess Leah’ group was born. Closed at first, to keep Esquenazi family safe, few people were invited, another few joined. When we were about 37 guess I think the engines started, people using network (Facebook, Twitter, Emails, Telephone…). We opened the group to allow more people join and help spread the word. So came the KTLA tv… And everything started pop around, replicated, shared and whatever.

Great! We got the attention we wanted, maybe now some Doctor can see her problem and help find the cure.

The family faced some security issues so we closed the group again. Now, new membership is not allowed, just by indication of some member or if we can track the proper link between the people and one of the parents/friends/member of the group.

I noticed today (thinking about all good things the group could get for Leah and her parents) that’s the second time in my life I’m involved in something really good, gathering many people to focus in a positive manner to help someone in need.

During my life I was member of or created many groups inside the fandom (Star Wars and Lord of the Rings were the ones where I’m more experienced, but I was also part of a James Bond staff group). I always donated my time, efforts, actions and things to make these groups grow up, get the properly attention, help them creating and organizing events for them. Just to see other fans like me smiling with something I would like to join and have fun with. This brings lot of trouble, friendships broken or hard discussions with good friends, nights working to reach the deadline of one event… and etc.

One thing that I always wanted to do as a member of a group is helping people. Some of the groups which I’m member of give me this opportunity when costuming for charity. These are the actions I like most than others. I was always proud of being member of these groups because of their charity purposes.

Now, I’m member of something bigger: about 170 some people together working to help and support Esquenazi family. And it’s not bigger because of the number of people involved, but because it’s a REAL cause. It’s not related to that egoic thing that reaches most of costume clubs and makes people act as if they were the best because of the costumes they own,  forgetting the real purpose behind the costume: charity.

Leah is teaching me lots of lessons. Giving the proper importance and put efforts into what is really important and worths most. She is teaching me to put the priorities on their properly places, give just the enough importance to things, evaluate my life, what I’m doing here and what I can do for others. But I think the most important lesson she taught me at all is that there are good people in the world, who can do amazing things together “just” because of a little girl which ‘almost all of them’ just saw by picture. Leah, you are showing me that the World is not lost at all! There’s people who wants to make it better, and awesome, they have kids and probably, they are educating their children to be as good as they are. And so, we’ll have more good people in the World and maybe… one day things will be better for everybody. Even if I won’t be here to witness it. Thank you Leah. I really had lost my faith in the human kind, in the world. But you made me change my mind. All I can do in exchange, is what I’m doing for you, for your parents. And I would do more if I could, really. But I’m also learning with you that I need to give one step at time, tomorrow is another day, one day each time. It does not matter how much time I take to, but I will reach the target.

Thank you, little one. If Princess Leah’s Angels exist, it’s because you made me think that I could do something bigger than just ‘pray’ for you. You made me think that I can make the difference when I thought I had nothing new to see but just live my life.

And this is really important for someone like me, but one day I tell you.
(And I know Ginger or someone else will pick all my mistakes and help me to correct this post… *smile*)

Frani, Zev and Leah (picture by Anabel Caldera)

Responsabilidade sobre informações divulgadas na Rede.

Que a globalização tem suas muitas vantagens, todo mundo sabe e vivencia diariamente.

Estamos (uma parcela da sociedade) conectados na ‘web’ quase 24 horas, às vezes. Acessando redes sociais, notícias, fóruns, lendo textos e outras atividades mais.

Algo que tem sido muito constante são os movimentos ‘organizados’ virtualmente que acabam vindo pro mundo real e a mobilização através das redes em protesto/defesa de alguma causa.

Hoje senti o peso da responsabilidade sobre o que eu posto na Internet.

Tudo começou com um post feito no mural de uma amiga, denunciando maus tratos aos filhotes expostos na vitrine de um Pet Shop situado num Shopping de São Paulo, na Zona Sul.

Como defensora dos animais, não hesitei UM SEGUNDO em repassar o protesto contra a tal loja. Para depois começar a refletir que eu havia acabado de repassar uma informação a qual eu não sabia a fonte e muito menos, se procedia.

A informação dizia que uma pessoa havia ido ao estabelecimento e visto que os filhotes estavam sem água para beber e, ao questionar um funcionário do local, recebeu a informação de que eles não podiam dar água aos animais para não sujar a vitrine. Diante disso a pessoa procurou reclamar com a proprietária da loja que categoricamente se recusou a colocar água para os animais.

Não precisei de muitos minutos pra ver a informação sendo replicada no mural dos meus amigos no Facebook. Comentários de protesto contra a atitude ‘desumana’ para com os filhotes e muito mais foram pipocando. Até que eu e minha amiga, que foi de onde copiei a nota, nos demos conta que não tínhamos informações confiáveis sobre o assunto. Ela recebeu de outra amiga, que não costuma repassar informações ‘falsas’. Mas ficamos então, numa saia um pouco justa.

Somos contra qualquer tipo de maus tratos a animais. Mas isso não significa que queremos prejudicar os humanos, principalmente SEM sabermos se eles tem realmente culpa.

Saí pesquisando um pouco e após algumas horas (pois tive que interromper a pesquisa para trabalhar), não chegamos à fonte da denúncia. Retirei do mural o post e fiz outro explicando que não podia provar o que havia afirmado ali e portanto, não levaria em frente.

Um movimento de ‘boicote’ a alguma loja ou marca pode surtir efeitos devastadores o suficiente para prejudicar um estabelecimento ou seus negócios. Vide o caso da Arezzo, que retirou sua linha de produtos feitos de pele de animais após uma maciça campanha pela Internet protestando contra esses produtos. Em comunicado aberto, a marca disse que havia cancelado os pedidos de matéria prima para os próximos produtos e acabando o estoque, não mais haveriam produtos envolvendo peles animais.

Então, eu recuei mesmo. Não fui eu quem comecei, tampouco minha amiga. Mas poderíamos ser até processadas pelas informações divulgadas, se elas não tivessem fundamento.

Não consegui ter certeza se os animais eram realmente maltratados. Obtivemos fotos de uma pessoa que leu a denúncia e foi conferir pessoalmente, viu que os animais bebem água através daqueles bebedouros presos. Então, a denúncia de que eles não recebiam água, por si só, já cai por terra.

Não sou a favor de animais vendidos em pet shops. Mas nem por isso me acho no direito de ‘ajudar’ a massacrar um sem ter certeza.

Ficou uma lição boa: investigar MESMO qualquer informação antes de repassar. Se não é hoax ou spam, pode ser algum mal entendido. Não foi confirmado nada oficialmente sobre a denúncia no pet shop. Mas foi feita uma denúncia aos órgãos responsáveis que deverão averiguar o tema.

Quanto a mim, acredito ter aprendido a ‘refrear os cavalos’ antes de sair correndo. Justo eu, que combato hoax, fazer isso fica hipócrita.

A Internet é uma ferramenta fantástica, saiba usá-la com bom senso. Tome cuidado com o que você divulga, sempre citando as fontes, para não ser responsabilizado por algo que ‘não’ é de sua autoria.

Carta aberta ao Papai Noel

Querido Papai Noel,

Nem sei direito como começar esta carta. Acho que é a primeira vez em minha vida que escrevo para você.
E, como todas as cartinhas que recebe, eu venho por meio desta fazer meus pedidos para este natal.

Talvez você não possa atendê-los. Mas pode encaminhar ao departamento ou pessoa(s) responsável(veis). Pessoas importantes como você, possuem sempre uma boa rede de contatos.

Antes de mais nada, quero agradecer por você existir e fazer a vida de milhares de crianças no mundo todo mais colorida. Vejo seus representantes nesta época do ano, nos shoppings centers, lojas e etc e não consigo deixar de sorrir: você está vivo e presente sempre.

Eu sei que neste ano não fui exatamente uma boa ‘menina’. Mas espero e conto com sua compreensão para o fato de que nós, seres humanos, cometemos erros. E pode parecer chavão, mas eu tenho ciência deles. Não gostei de tê-los cometido, mas graças a eles, pude e posso aprender a ser alguém melhor.
E estou contente, sabe, Papai Noel, pois mesmo com esses erros, eu sinto que me tornei alguém um pouquinho melhor este ano. Ainda estou longe, muito longe do que acredito ser ideal (não confundir com ‘perfeição’), mas sinto que consegui subir um degrau na minha escadinha.

Sendo assim, eu peço humildemente:

– Que eu possa amadurecer ainda mais sem perder a magia da minha criança interior. Isso não é nada fácil nos dias de hoje e equilibrar isso é um desafio entanto, o qual eu decidi encarar.

– Que eu possa aprender com meus erros e melhorar. Aceitar o erro é o primeiro passo. Que eu possa dar o segundo passo e evoluir, aprendendo com ele e me tornando alguém melhor.

– Que eu possa confiar mais em mim mesma, para poder concluir e realizar muito mais. Eu tenho capacidade, eu tenho inteligência e condições. Preciso me organizar decentemente e por a mão na massa.

– Que eu possa ser mais útil a quem precisa. Que eu possa ser alguém que faz a diferença e movendo minha engrenagem faça o mundo inteiro ser um lugar melhor.

– Que eu procure sorrir mais e me divertir com o que é diversão. Deixar a seriedade para o que é muito sério.

– Que eu coloque as prioridades nos devidos lugares, me organizando e assim, realizando cada vez mais meus próprios desejos e auxiliando os outros.

– Que eu seja menos impulsiva. É, eu sei, Papai Noel, é difícil essa, mas estou melhorando. Você sabe pois acompanha desde minha tenra infância e eu melhorei muito. Mas preciso melhorar mais. Se puder me ajudar eu agradeço (sua torcida já é bastante!)

– Que eu possa continuar sendo o instrumento de cura da energia Reiki e colaborando para ajudar quem precisa.

– Que eu possa compreender melhor o outro, perdoar principalmente. É difícil às vezes, mas já aprendi que se eu não perdoo, não fico em paz. Nem é por questões religiosas, são questões pessoais mesmo. Guardar esses sentimentos de mágoa, rancor e raiva não me ajudam, só me atrapalham.

– Que eu possa fazer a diferença POSITIVAMENTE. Esse é um dos meus objetivos mais importantes, eu desejo de verdade conseguir atuar dessa maneira.

E por último, mas não menos importante: que eu tenha saúde para realizar tudo isso, que eu tenha determinação para seguir em frente mesmo quando tudo parecer perdido, que eu tenha coragem para enfrentar todos os meus medos e vencê-los, mas sem perder a prudência e cuidado.

Obrigada por sua atenção, Papai Noel.
Que você tenha um excelente Natal e seu trabalho saia de acordo com o planejado.

Atenciosamente,

Mary Farah

PS: SE não for incomodar muito, aquela guitarra para PS2/PS3/Wii será muito bem-vinda, viu? 🙂

Droga, Jim. Eu sou humano e não vulcano!

Esta semana foi mais tranquila do que as anteriores, embora meus picos de ansiedade tenham oscilado mais.

Muitas coisas ‘rolando’ em segundo plano, idéias para serem concretizadas, planos para o futuro muito distante, planos para o futuro próximo… E no final eu queria que tudo se resolvesse pra ontem… Óbvio.

Nessas horas eu preferia não ter sentimentos ou poder desligá-los. Pra ajudar a manter o foco nas coisas que eu preciso fazer em vez de ficar brigando comigo pra ‘pousar’ e prestar atenção no que tenho que fazer.

É óbvio que o mais divertido é ficar pandilhando por aí, gastando horas na Internet e lendo meus e-mails.

Mas o trabalho, além de engrandecer ‘o homem’, põe dinheiro na conta pra pagar mais contas… E eventualmente, agraciarmos a nós mesmos com algum mimo, afinal, trabalhamos também para isso.

Tem dias que acho maravilhoso sentir e sentir intensamente, que é o meu caso. Eu sou daquelas pessoas que sente tudo MUITO intensamente. É excelente para coisas alegres e boas. Péssimo para coisas tristes e ruins. Ainda bem que faço terapia e posso jogar as frustrações nas mãos de alguém que depois me devolve pra eu mesma resolver.

Aliás, é isso que envolve a terapia. Você vai lá, conversa com alguém que ouve você, eventualmente faz perguntas para entender a forma como você pensa e te devolve o que você disse de uma maneira que você possa entender e ver coisas que não tinha visto antes, podendo assim resolver a questão. Mas essencialmente, tudo depende da gente mesmo. O psicologo, terapeuta, não importa, não vai resolver as coisas pra mim. Essa pessoa é uma facilitadora para que eu tente me entender e resolver meus problemas. E às vezes, até dizer pra mim coisas que eu já sei mas preciso ouvir dos outros.

Nós humanos somos realmente engraçados nesse sentido. Sabemos as coisas e o que temos que fazer, mas precisamos ouvir dos outros às vezes.

Às vezes eu preferia ficar dentro da minha concha… Não, não sou uma pérola (numa linguagem bem popular, pérola é cocô da concha… *risos*), na verdade é parte da insegurança que eu sinto e me faz querer isso.

Ainda bem que de uns bons tempos para cá, tenho vencido essa vontade e encarado o que preciso.
Mas nem sempre é fácil. Aliás, nem sempre não. NÃO é fácil.

Lidar com expectativas, sejam elas as minhas (e que são as mais exigentes, eu mereço!) ou dos demais gera mais sentimentos, mais idéias e mais minhocas. Preferia menos minhocas.

Chega, hora de trabalhar.

Resumo da semana…

Esta semana se desenrolou mais tranquila. Confesso que consegui assumir efetivamente o controle de algumas coisas que andavam soltas e isso me deixou mais calma.

FERIADO
A viagem no feriado foi ótima, com direito a festa surpresa de aniversário (e daí que foi um mês depois, foi fofo do mesmo jeito), com supresa para um aniversariante (“Captain on the bridge!”), disciplina e muuuuitos cochilos gostosos durante a tarde. O ar seco não ajudava muito mas, como em todo 07 de setembro, choveu, a umidade do ar melhorou e todos puderam enfim respirar aliviados, literalmente.

E-MAILS ACUMULADOS
Ah, não li todos não. E só pude dar uma boa olhada ontem, mas mesmo assim, selecionei por assunto e marquei todos como lidos. Não dá pra fazer tudo ao mesmo tempo e nem acompanhar tudo como gostaria. Então, melhor fazer o que dá e procurar desencanar do que não pode ser feito. Incrível como a segunda é bem mais difícil do que a primeira.

NÃO DÁ PRA ABRAÇAR O MUNDO…
Eu sou eu e os outros, são os outros. Esta afirmativa que parece óbvia e ululante é também difícil de trabalhar às vezes. Para mim, algumas coisas são óbvias e inerentes diante de responsabilidades que eu assumo.
Seria tão bom se todos pudessem ser organizados dessa maneira…
Melhorei muito. Antes eu saia ‘abraçando’ tudo que não estava do jeito que eu queria, independente de eu poder ou não arcar com isso. Agora eu consigo respirar e separar o que realmente eu posso fazer em casos específicos.
Mas se tem algo que eu detesto é cliente que não dá instruções adequadas e depois, fica devolvendo trabalho pra corrigir coisas que poderiam ter sido feitas daquela maneira no processo de tradução. Isso é irritante!

CASA DE FERREIRO, ESPETO DE PAU…
Precisamos ficar atentos ao que temos ao nosso redor e bem debaixo dos nossos focinhos. Temos verdadeiras preciosidades dentro de nossas próprias casas e às vezes, acabamos banalizando pra não enxergar nossos próprios erros. É mais fácil jogar a culpa nos outros do que olhar nosso reflexo e vermos o que erramos. Aí, depois que perdemos é que vem a valorização.
Não, não é lá em casa, tudo vai muito bem, obrigada.
São algumas coisas que andei vendo ‘por aí’ e me deixam perplexa e até revoltada às vezes.

E FALANDO EM LÁ EM CASA…
Se tem algo que ninguém vai ler aqui são indiretas pra terceiros quem quer que sejam. PRINCIPALMENTE para os dois anjos maravilhosos com quem resido. Não mando recadinhos através do meu blog, acho isso patético e covarde. Eu falo a quem tenho que falar, cedo ou tarde. Quem já passou por isso sabe que é verdade.
Quem não passou, pode ser que sua vez esteja chegando… <risada maléfica>

MEU COMPORTAMENTO ESPELHA A SUA LIDERANÇA
Este trechinho é dedicado a todos aqueles que de alguma maneira, tem a responsabilidade de estarem diante de um grupo e o fazem com maestria. São pessoas que me inspiram a seguir em frente, seguir seu exemplo e fazem com que eu possa dar de mim o melhor a elas e ao(s) grupo(s) em que participo.
Todos tem seus defeitos e qualidades, pois somos humanos.
Mas eu pego as qualidades e uso de modelo. Obrigada a vocês por colaborarem cada um a sua maneira.

Chega, hora de trabalhar.

Carta aberta… 5 anos

Oi, espero que você esteja bem.

Todo ano tenho feito isso, achei que mudar o padrão agora, seria bobagem.

Eu estou bem, passando por uma série de reformulações, sabe? Devo muito da minha sanidade a educação que você me deu, sem ela eu não sei como poderia entender e encarar com coragem alguns dos desafios que a vida vem me trazendo. Aliás, estou evoluindo bastante no que se refere a depressão, ela vem melhorando gradativamente, você teria orgulho de mim. Ou acho que tem, né?

Acho que você sabe que perdoei você por tudo, né? Conversamos a respeito há 4 anos atrás.
Pode parecer estranho, mas obrigada pelo irmãozinho. Uma criança é sempre legal e afinal, você sempre quis ter um menino. Antônio Elias Farah Neto, você disse que eu me chamaria se tivesse nascido menino. Desculpe por isso, tá? Não é reclamação, sei que você me ama desde o momento que eu nasci, quase bateu no médico que não queria internar a mamãe para fazer meu parto porque ela não tinha barriga e estava elegantemente trajada num conjunto de taileur e calça social. Obrigada por ter assinado o termo de responsabilidade juntamente com o Dr. Wilson (a quem imagino que você tenha encontrado por aí). Eu ainda gostaria de ver a cara desse médico que disse que eu não teria sequer semanas de vida. Estou perto dos 40 anos. Pode isso? Quando você fez 40 eu me lembro de ter pensado que você estava ficando mais velho e fiquei preocupada. Agora sou eu quem chega a essa idade. Que coisa, o tempo voou!

A Laurinha está linda, sabe? Você não a conheceu, ela nem estava em planejamento na época, mas imagino que você saiba quem ela é. Ela é a luz da minha vida, um anjinho que mandaram de presente, um ser iluminado que desde bebê já faz muito por muita gente. E eu sou uma dessas pessoas. Eu a considero como filha, você deve saber. E imagino que a consideraria como neta, é o seu normal.

Sei que tem coisas que podem parecer estranhas pra você, principalmente diante de tudo que aconteceu nos últimos anos da sua vida. Acredite, eu também me surpreendo ainda com elas, mas eu tenho em mim uma certeza de que muito disso fará todos ficarem mais fortes, vamos amadurecer, nos tornar pessoas melhores e podermos colaborar melhor ainda com o universo inteiro.

Eu costumo sonhar com você com frequência. Estamos sempre passeando em família, em lugares muito legais. Você costuma sempre estar sorrindo, estar feliz e bem. Acredito que é porque agora você esteja. Espero de coração que tenha compreendido todo o propósito do que aconteceu a você e porque foi daquela maneira. Quando não aprendemos por bem ou do jeito mais fácil, acabamos levando uma bela bordoada pra acordar. Lamento que a sua foi a última, mas acredito que é porque assim deveria ser, né?

A mamãe está bem, vivendo a vida do jeitinho dela, como ela pode. Está sendo bem cuidada e também tem se cuidado bastante.

Vou ficando por aqui. Tenho muitas saudades de você, mas o sentimento está mais ameno, dói menos, ainda bem. Achei que ele nunca diminuiria. Hoje consigo sorrir sem lágrimas pela lembrança do seu sorriso.

Obrigada mais uma vez por tudo. E por zelar por nós. Eu te amo.

Mary

A Arte de Envelhecer

Envelhecer neste país, é uma arte. Não, não é porque é bonito, afinal nossa cultura não preza ou ensina isso.

Mas é preciso ser Mestre pra envelhecer com auto-estima e conseguir manter-se pra cima. Além de uma boa (e coloque BOA nisso) dose de boa vontade.

Eu sempre tive receio de envelhecer. Todos os parentes mais idosos que já partiram, tiveram problemas de saúde sérios no fim de suas vidas. Aliás, algumas terminaram decorrentes a esses problemas. Porém, todos tinham vida própria e até que a saúde os impediu viviam independentes. Viviam em suas casas, cuidavam de suas vidas.

Já faz um tempo que estou pra falar disso aqui. Pois vivenciei/observei cenas envolvendo pessoas idosas nos últimos meses que me fizeram refletir um bocado sobre ‘envelhecer’ e o ‘respeito ao idoso’ no Brasil.

Assentos reservados/Vagas para idosos

Eles existem nos metrôs, ônibus, meios de transporte coletivo. E também nos estacionamentos de supermercados, shoppings e estabelecimentos. Mas o que mais vemos é o DESrespeito a esse direito.

Não é raro entrar no metrô e ver pessoas mais novas sentadas nos bancos reservados. A placa diz que o ‘uso do assento é livre na ausência de pessoas nessas condições’. Mas é difícil aquele moleque que está displicentemente ouvindo seu iPobre ou qualquer coisa do tipo levantar quando chega algum idoso. O que ocorre é que outra pessoa, sentada num banco normal acaba cedendo lugar. Aliás, outro dia eram DOIS homens, um mais novo. NENHUM deles levantou, fingiram estar dormindo.

Meu espírito mais impetuoso me faz ficar imaginando como eu levantaria o tal sujeito pelas golas do moleton e pediria ‘gentilmente’ para que ele cedesse o lugar QUE É DE DIREITO ao idoso. Coisa que óbviamente não farei e não faria, não só pelo minha pequena estatura, mas também porque não ando lá bem pra ficar procurando problemas que não me pertencem. Olha minha cara de Clark Kent pra bancar o Escoteiro Azulão da justiça…

*(Se bem que se fosse Jedi seria mais fácil fazer o indivíduo se levantar dali… Me renderia algum belo sermão de um Mestre e algumas horas a mais de meditação e estudo para pensar no que fiz, mas valeria a pena…)*

No caso supracitado, eu me revoltei e chamei em voz alta a senhora idosa parada NA FRENTE dos dois sujeitos para sentar no meu lugar. A senhorinha veio caminhando devagar, auxiliada por outros passageiros e sentou agradecendo. Aquilo gerou certa revolta nos passageiros no entorno, mas ninguém faz nada. Puxar briga é algo complexo e não culpo ninguém por isso. Eu achei que algum deles se tocaria quando chamei a senhorinha, mas olharam pra mim e voltaram a ‘dormir’.

Quanto a mim, fiquei na minha satisfeita por ter cumprido minha parte.
A criação japonesa ensina e é bastante rígida sobre o respeito aos mais velhos. Uma pessoa mais velha ela tem mais experiência de vida que você e vivenciou mais coisas. Não que ela estará totalmente correta sobre tudo, mas já viveu bem mais e merece ser respeitada por isso. Existem coisas que ela pode lhe dizer que podem ser úteis. Outras não serão, mas conhecimento nunca é demais, não é mesmo?

Isso significa que você precisa dar trela praquela tia chata pra cacete?

Fica a seu critério. Ter bom senso é SEMPRE a melhor pedida em qualquer caso na vida.
E ter respeito não significa ADULAR, BAJULAR, PUXAR O SACO.

Além da criação, minha religião fala muito sobre o respeito aos ancestrais, aqueles que nos deram vida e sem os quais, não estaríamos aqui, não seríamos quem somos. Não só pela educação e carinho dedicados a nós durante nossas vidas, mas também toda carga genética que herdamos deles.

Ah sim, a história da senhorinha não acaba aí. Teoricamente acabaria. Se não fosse pelo fato de que 3 estações depois, um homem levantou para descer e uma senhora (mais nova que a senhorinha para quem cedi o lugar) me chamou ‘também’ em voz alta e me disse para sentar ali. Eu gentilmente recusei dizendo que ela poderia sentar. Mas ela insistiu e ainda enfatizou que eu ‘merecia’ o lugar pela minha educação e gentileza para com a senhorinha. Agradeci sem jeito e sob os olhares de todos os passageiros ‘nos arredores’, sentei-me. A senhora balançou a cabeça afirmativamente, como se aprovasse e sorriu satisfeita. E eu pensando o quanto ceder uma vaga ‘causou’ naquela pequena viagem de metrô. Tudo por falta de respeito.

Depois desse episódio, não sei precisar quanto tempo depois, vivenciei outro. Mas este mexeu muito comigo.

‘É ruim ficar velha….’

Saí correndo de casa para ir ao médico e quando cheguei no metrô, mais precisamente na plataforma, me dei conta de que havia saído mais cedo do que precisava. Ou seja, chegaria mais cedo no consultório e tomaria chá de cadeira, por ter me antecipado. Bom, paciência. A viagem foi tranquila, o metrô estava mais vazio.

Desci na estação de destino e ao sair na rua, olhei o relógio de novo. Decidi ir ao banco fazer um pagamento o qual havia me programado para fazer depois do médico.

Parada na calçada, aguardando o sinal abrir, vi uma senhora pequena, com aparência bem idosa a julgar pelos cabelos brancos e o quão curvada andava. Ela tinha um carrinho de feira.

O semáforo de pedestres ficou verde e eu caminhei atravessando. Quando cheguei na outra calçada, olhei para trás e a senhora não havia saído do lugar. Olhei ao redor. As pessoas cruzavam e passavam por ela, ignorando-a. Um rapaz olhava para ela hesitante, parecia não saber se ajudava ou não. Fervi de novo.

Voltei e perguntei se ela queria ajuda. Pensei que o carrinho estivesse pesado. Ela agradeceu e me deu o braço. Caminhava MUITO devagar. MUITO. E explicou que estava com problemas nas pernas, agravados pelo frio intenso daqueles dias. Não me preocupei NEM se o semáforo ficasse verde. Os carros iam esperar, MESMO.

No tempo dela, fomos cruzando a rua. Não olhei ao redor, estava preocupada em auxiliar aquela senhora para que ela não tropeçasse. Subimos na calçada, ajudei a subir o carrinho. Ela o empurrava na frente (ao contrário do que normalmente fazemos, que é puxando atrás de nós) porque precisava dele para se apoiar. Isso me comoveu. Fomos caminhando e ela me perguntou onde eu ia. Eu disse que ia até o banco. Ela disse que seguiria em frente e que aceitava minha companhia até o banco então.

Durante todo o trajeto, ela repetiu várias vezes ‘como é ruim’ envelhecer. Reclamou de suas dores, do frio e de tudo mais. Porém, também contou rápidas passagens de sua vida como corretora de seguros. Percebi também o quanto as calçadas são inadequadas para pessoas com dificuldades de locomoção. Pior que isso, era a cara feia das pessoas pela lentidão da nossa caminhada. Passavam e olhavam feio. Olhares os quais ignorei MESMO, não aceito isso. Eu estava com uma senhora com dificuldade de locomoção, usando um carrinho de feira para se apoiar, ora essa! Quem tem pressa, que desvie.

Chegando perto do banco, ela contou seu destino: pelo menos uns 10 quarteirões ainda mais para frente.
Agora imaginem vocês que o pequeno trajeto da calçada até o banco eu faço em cerca de 5 minutos ou menos. Levamos cerca de 15 minutos.

Em frente ao banco, nos despedimos. Ela agradeceu imensamente pela minha ajuda, desejou-me bençãos e felicidade. Eu lhe beijei a fronte e desejei o mesmo. Entrei no banco, olhando ela seguir seu caminho, no seu passinho lento apoiada pelo carrinho de feira.

Não fiz o pagamento, o tempo livre que eu tinha foi gasto no trajeto com ela. Mas fiquei sem jeito de dizer isso e por isso, entrei no banco esperando ela se afastar um pouco e saí apressada indo para o médico, quase cheguei atrasada. As palavras daquela senhora ficaram na minha cabeça boa parte do restante do dia: “É ruim ficar velha…”

PÔ! Cresci aprendendo que os mais velhos devem ser respeitados, que ser mais velho faz de você alguém mais experiente e com ‘algo’ para contar e passar aos seus. Ouvir uma pessoa dizendo que é ruim algo que eu entendo como digno de respeito é duro. Não deveria ser assim. E os olhares feios e o desprezo das pessoas só confirmam o porque alguns idosos pensam como esta senhora. Envelhecer neste país é complicado.

‘Sou menor de idade…’

Olha eu e os assentos reservados no metrô de novo.

Mas desta vez, era daqueles trens mais antigos que ‘nem assento’ diferente tem. Aí é pior, as pessoas FINGEM descaradamente que não sabem que precisam ceder lugar para idosos, grávidas e pessoas com crianças de colo.
Até que o número de pessoas sentadas era mais de idosos mesmo e quando entrei, havia assentos vazios. Sentei.

Não me lembro em que estação, um casal idoso entrou. E pareciam ‘não muito’ acostumados a andar de metrô. Prontamente me levantei e apoiando a senhora, ofereci o banco. Ela sorriu e aceitou. A moça ao meu lado levantou também, oferecendo ao marido. E então veio a surpresa. “Não, moça. Sou menor de idade! Preciso crescer, pode ficar sentada…”
Isso arrancou risadas dos passageiros no entorno. A moça também riu, porém insistiu muito. O senhor repetia brincando que era muito jovem e não precisava, tinha 84 (!!!) anos e precisava crescer mais. Depois de muita insistência, ele aceitou. Sentou e olhou para mim e para a moça: “Vocês brilham, meninas… Que maravilha!”.
Fez ainda mais outras duas piadas, as quais não me lembro, porém lembro de ter rido muito feliz e ouvir as risadas dos passageiros próximos. Aquele senhor emanava jovialidade e alegria, contagiando a todos que estavam ali perto dele.

Fiquei emocionada com o jeito dele. Sempre que vejo um idoso assim, tão animado e de bem com a vida, peço aos Deuses que me guiem para que eu siga um caminho assim. Não quero envelhecer chata, ranzinza, reclamando dos problemas de saúde (que todos temos quando vamos envelhecendo) e dando dor de cabeça para os outros.

Que eu possa envelhecer com sabedoria e aprender a Arte de Envelhecer!

Samwise Gamgee, o bravo!

O assunto principal deste post, são os amigos.
Há muitos anos atrás, numa galáxia não tão distante, porque é aqui mesmo, eu mencionei que acreditava que a convivência com amigos era como os círculos que se formam numa poça d’água, lago, rio quando uma gota ou algum objeto cai. Existe o círculo do centro e depois os demais círculos, se afastando do meio onde estaria eu. No circulo mais proximo, os melhores amigos e mais queridos e conforme se afastando, os amigos, conhecidos, colegas e etc.
Como se passaram muitos anos, vivenciei novas experiências e me dei conta que isso não era totalmente verdade. Primeiro, porque essa visão me colocava no ‘centro’ do universo dessas pessoas, o que além de egocêntrico da minha parte, não é a realidade.
O verdadeiro valor de uma amizade não está na proximidade física, isto é, não preciso vê-lo todo dia pra saber que posso contar com ele, que ele estará ali se eu precisar. E principalmente, quase que uma regra: o seu (ou seus) verdadeiros amigos não ficam “alardeando” aos quatro ventos que ‘são’ seus amigos. QUASE, primeiro pq pra ter 100% de certeza eu teria que desenvolver uma pesquisa com todos meus amigos, ou outr pessoa, enfim, muito trampo. Depois, porque existem alguns que gostam de alardear, oras. E não há nada de errado nisso. Mas dentro da premissa que “Quem faz o milagre, não conta o santo”, acredito hoje sim que aqueles em que mais podemos confiar são os que não ficam se exibindo como seus melhores amigos.
Eles ficam na deles, às vezes mais próximos e constantes devido a vários fatores, às vezes você mal o encontra em um mês. Mas ele está ali. Pra você e por você também.
Eu costumo usar muito meus posts para agradecer. Para pedir, eu o faço reservadamente, como digo, é um papo entre “Eu e Eles”, os Deuses e não é da conta de ninguém,a menos que eu tenha vontade de falar. Mas agradecer, é algo que não vejo problema em expor.
Então, eu agradeço neste post meus amigos que nestes últimos dias têm feito muito por mim. Muito mesmo, talvez mais do que eles próprios possam imaginar. Na verdade, nem eu mesma sei exatamente algumas coisas que eles têm feito ou têm preparado para fazer se eu precisar de ajuda. Sei que estão ali.
E como Nerd que é Nerd, sempre têm referência a algo, para quem assistiu O Senhor dos Anéis, O Retorno do Rei, é como se eu fosse o Frodo, naqueles momentos que antecedem minha chegada dentro da Montanha da Perdição e eu digo que não posso mais. E aí, vem o bravo e corajoso Samwise Gamgee e não me deixa desistir, tão perto de concluir meu objetivo. Esteve ao meu lado durante toda a jornada e por vezes tratei com certa grosseria e rispidez. Mas mesmo assim, permaneceu.
Este post é dedicado a vocês, meus queridos Samwises Gamgee, que sabe quem são.
Muito obrigada pelo seu apoio, mesmo que você não tenha sequer me dito algo a respeito.
Tenho certeza de que a vida vai me proporcionar meios de retribuir tamanha dedicação de amizade a você.
Para terminar, me divirto de certa maneira, imaginando quem vai ler isto aqui e vai vestir a carapuça que não lhe pertence, desfilar orgulhoso. Bazinga pra vcs! :PPPP
Who cares? Eu não me importo mais. A vida é curta e não há mais tempo para determinadas picuinhas que se transformam em verdadeiros roteiros de novela mexicana. To hell with that, na boa.
Tenho uma vida pra viver, uma afilhada para ajudar a criar e muita coisa pra aprender.
Mas como diz a musiquinha do Barney, o dinossauro roxão que todo mundo debocha (inclusive eu): Por favor e Obrigado são palavras importantes de se dizer.
Então: Muito obrigada.

Lá e de volta… outra vez?

Eu falo toda vez que vou voltar a escrever. E olha só.
Vou fazendo as outras coisas e “vir” até aqui pra escrever acaba dando trabalho.

Viver instável como uma montanha russa não ajuda muito. Saber que seu cérebro não fabrica direito algumas enzimas que dificultam esse processo de equilibrio, é um passo racional interessante. Mas psicologicamente dá mais raiva.

Minha vida sofreu um terremoto mais forte do que o do Haiti no final do ano passado. E os tremores subsequentes continuam vindo. Em menor intensidade. Algumas feridas abrem. Outras ainda não cicatrizaram.

Lições? MUITAS, ah, podem apostar.
Me tornei mais agressiva e isso está sendo um probleminha com o qual estou tendo que lidar.
Não é fácil. Mas quem disse que a vida era fácil?

Assisti AVATAR.
Soco no estômago, tapa na cara é pouco.
Incrível a capacidade que alguns filmes têm de me mostrar erros na minha própria vida.
Ah é. Eu no cinema, não é? Quem me conhece sabe como é raro. Mas estou trabalhando isso também.
Estou procurando ir ao cinema quando tenho vontade. Não é dificil achar pessoas interessadas, muitos amigos curtem e eu moro com alguém que adora. Mas esse filme foi algo curioso. NADA das sinopses me preparou para o que eu vi ali. E não falo de efeitos 3D, que são excepcionais.
Eu falo de história. É, a mesma história que tem um “roteiro batido”, “previsível”.
Como eu sempre digo e o filme diz também… Você vê o que quer. Você pode prestar atenção nos músculos do ator o filme todo. Ou ver a gota que escorreu por uma folha atrás dele no momento em que ele saiu da água. Você pode pensar no que ele disse ou no que fez. Ou simplesmente lembrar da paisagem ao redor.

É tudo tão simples. Cada um vê o que quer.
E como dizem no filme: “Eu vejo você.”

Nunca vi um filme com tanta lição de xamanismo e druidismo! Foi uma aula pra quem quisesse aprender, entender, SENTIR. O filme fala de sentir. Bom, eu senti muita emoção, tem gente que teve tédio e sentiu sono e outros, tontura por causa do efeito 3D.

Acho que fiquei tão embasbacada com o efeito e depois, conforme a história foi se desenrolando…
A arte imitando a vida, sentimentos fictícios que reverberam na vida real.

É, cada um sente e enxerga o que pode, o que quer… E o que está preparado.
E ninguém é melhor que ninguém por isso.

%d blogueiros gostam disto: