Princess Leah’s Angels (English post)

Princess Leah Lucia Rachel Esquenazi

Long time ago, in a Country far, far away…
(Prepare yourself, this is a loooong and emotional post)

Note: the ‘italic’ text is ‘me’ thinking to myself. :)

In fact it was not so long time ago. But the Country is far away from mine.

I read a post from Mand’alor Novall Tallon telling Mercs donated some amount to DSB’s daughter fund.  “What is it?”, but sure, I didn’t say this way. I asked about it and Falin Skirata answered telling about it. “Where is it?”, I asked and he gave me the link of Princess Leah Diaries.

And so, that’s how everything began and Leah entered into my life and I started a cruzade with other virtual friends to help this little one.

Baby Leah, or, Princess Leah as she is worldwide known now (you’ll know below why) is 4 months old. 55 days now in the Intensive Care Unit. I won’t tell more here because this will be repetitive as you can Google ‘Princess Leah’ and you’ll find LOTS of pages talking about her now. And believe me, we (everyone involved on the process) were working hard to do it until someone who I don’t recall the name (Diane? Damn lack of memory) now could get the attention of KTLA tv which picked up the story and aired an spot about it last week, with Zev “DeltaSquadBoss” and Francesca “Cmdr Foxy” Esquenazi (the parents) talking about the problem.

Leah has a misterious illness. 40 Doctors, many tests, analysis and etc and nobody does not know what her problem is.

You cannot cure what you don’t know, right? So, they are treating the symptoms while doing their best to find the cause of this little one issues.

Backing to when Falin sent me the link, I read the blog and I remembered the very first two days of Laura. She had respiratory issues when she was born and she spent two days in a Pediatric Intensive Care Unit. Those two damn it days came back to my mind while I was reading again the blog. The parents were there (at that time) almost 44 days, I guess. My heart got that hard pain from two days and multiplied by 40 (easier to round things when calculating). Tears rolling into my eyes, I called my cousin, Laura’s father and told about the story. And later, when my sister arrived home, I told her too. We three discussed about Leah during the supper. “A children should never suffer like that. Parents should never have to pass through this…”, my sis said. I had to agree with her.

She promptly donated to Princess Leah Donation page created by Jason “Skygunbro” Watson. But this was not enough to me.

Almost 6 years ago, my father passed away. He spent almost 60 days in coma. Just to resume, I had experienced enough time at one ICU to understand Leah’s parents situation. The ‘alarm’ thing coming from those machines, the numbers there… that beep sounding… No, it was not enough for me donate money. I need to do something else…

But what can I do from here? They are there far above in the USA and here I am, down in Brazil.

Sent Leah’s name to my Reiki group. Yes, nice thing! The group is sending Reiki to her, this helps a lot.
Share Falin’s props raffle link and Jason’s donation page link. Sure, what Star Wars fan wouldn’t like to joint that raffle? More than 30 prizes (at that time, now they are more than 40, I gues)… Great! Few friends donate too, awesome!

What else…? Hm… If I just could gather many people to pray for her. A kind of group to create a chain of good vibration and energies to give support to the parents and sure, the baby. Nobody thinks about the parents at first. We think about the baby. Everybody will be praying for the baby, but whomelse will support the parents? Oh, they have relatives for sure. But I’m not their relative and I want to help.

A quick talking to Falin about my idea and he suggested me to ask Boss, or better, Zev (Leah’s father) about it.

We exchanged few messages and some clicks later, ‘Princess Leah’ group was born. Closed at first, to keep Esquenazi family safe, few people were invited, another few joined. When we were about 37 guess I think the engines started, people using network (Facebook, Twitter, Emails, Telephone…). We opened the group to allow more people join and help spread the word. So came the KTLA tv… And everything started pop around, replicated, shared and whatever.

Great! We got the attention we wanted, maybe now some Doctor can see her problem and help find the cure.

The family faced some security issues so we closed the group again. Now, new membership is not allowed, just by indication of some member or if we can track the proper link between the people and one of the parents/friends/member of the group.

I noticed today (thinking about all good things the group could get for Leah and her parents) that’s the second time in my life I’m involved in something really good, gathering many people to focus in a positive manner to help someone in need.

During my life I was member of or created many groups inside the fandom (Star Wars and Lord of the Rings were the ones where I’m more experienced, but I was also part of a James Bond staff group). I always donated my time, efforts, actions and things to make these groups grow up, get the properly attention, help them creating and organizing events for them. Just to see other fans like me smiling with something I would like to join and have fun with. This brings lot of trouble, friendships broken or hard discussions with good friends, nights working to reach the deadline of one event… and etc.

One thing that I always wanted to do as a member of a group is helping people. Some of the groups which I’m member of give me this opportunity when costuming for charity. These are the actions I like most than others. I was always proud of being member of these groups because of their charity purposes.

Now, I’m member of something bigger: about 170 some people together working to help and support Esquenazi family. And it’s not bigger because of the number of people involved, but because it’s a REAL cause. It’s not related to that egoic thing that reaches most of costume clubs and makes people act as if they were the best because of the costumes they own,  forgetting the real purpose behind the costume: charity.

Leah is teaching me lots of lessons. Giving the proper importance and put efforts into what is really important and worths most. She is teaching me to put the priorities on their properly places, give just the enough importance to things, evaluate my life, what I’m doing here and what I can do for others. But I think the most important lesson she taught me at all is that there are good people in the world, who can do amazing things together “just” because of a little girl which ‘almost all of them’ just saw by picture. Leah, you are showing me that the World is not lost at all! There’s people who wants to make it better, and awesome, they have kids and probably, they are educating their children to be as good as they are. And so, we’ll have more good people in the World and maybe… one day things will be better for everybody. Even if I won’t be here to witness it. Thank you Leah. I really had lost my faith in the human kind, in the world. But you made me change my mind. All I can do in exchange, is what I’m doing for you, for your parents. And I would do more if I could, really. But I’m also learning with you that I need to give one step at time, tomorrow is another day, one day each time. It does not matter how much time I take to, but I will reach the target.

Thank you, little one. If Princess Leah’s Angels exist, it’s because you made me think that I could do something bigger than just ‘pray’ for you. You made me think that I can make the difference when I thought I had nothing new to see but just live my life.

And this is really important for someone like me, but one day I tell you.
(And I know Ginger or someone else will pick all my mistakes and help me to correct this post… *smile*)

Frani, Zev and Leah (picture by Anabel Caldera)

Responsabilidade sobre informações divulgadas na Rede.

Que a globalização tem suas muitas vantagens, todo mundo sabe e vivencia diariamente.

Estamos (uma parcela da sociedade) conectados na ‘web’ quase 24 horas, às vezes. Acessando redes sociais, notícias, fóruns, lendo textos e outras atividades mais.

Algo que tem sido muito constante são os movimentos ‘organizados’ virtualmente que acabam vindo pro mundo real e a mobilização através das redes em protesto/defesa de alguma causa.

Hoje senti o peso da responsabilidade sobre o que eu posto na Internet.

Tudo começou com um post feito no mural de uma amiga, denunciando maus tratos aos filhotes expostos na vitrine de um Pet Shop situado num Shopping de São Paulo, na Zona Sul.

Como defensora dos animais, não hesitei UM SEGUNDO em repassar o protesto contra a tal loja. Para depois começar a refletir que eu havia acabado de repassar uma informação a qual eu não sabia a fonte e muito menos, se procedia.

A informação dizia que uma pessoa havia ido ao estabelecimento e visto que os filhotes estavam sem água para beber e, ao questionar um funcionário do local, recebeu a informação de que eles não podiam dar água aos animais para não sujar a vitrine. Diante disso a pessoa procurou reclamar com a proprietária da loja que categoricamente se recusou a colocar água para os animais.

Não precisei de muitos minutos pra ver a informação sendo replicada no mural dos meus amigos no Facebook. Comentários de protesto contra a atitude ‘desumana’ para com os filhotes e muito mais foram pipocando. Até que eu e minha amiga, que foi de onde copiei a nota, nos demos conta que não tínhamos informações confiáveis sobre o assunto. Ela recebeu de outra amiga, que não costuma repassar informações ‘falsas’. Mas ficamos então, numa saia um pouco justa.

Somos contra qualquer tipo de maus tratos a animais. Mas isso não significa que queremos prejudicar os humanos, principalmente SEM sabermos se eles tem realmente culpa.

Saí pesquisando um pouco e após algumas horas (pois tive que interromper a pesquisa para trabalhar), não chegamos à fonte da denúncia. Retirei do mural o post e fiz outro explicando que não podia provar o que havia afirmado ali e portanto, não levaria em frente.

Um movimento de ‘boicote’ a alguma loja ou marca pode surtir efeitos devastadores o suficiente para prejudicar um estabelecimento ou seus negócios. Vide o caso da Arezzo, que retirou sua linha de produtos feitos de pele de animais após uma maciça campanha pela Internet protestando contra esses produtos. Em comunicado aberto, a marca disse que havia cancelado os pedidos de matéria prima para os próximos produtos e acabando o estoque, não mais haveriam produtos envolvendo peles animais.

Então, eu recuei mesmo. Não fui eu quem comecei, tampouco minha amiga. Mas poderíamos ser até processadas pelas informações divulgadas, se elas não tivessem fundamento.

Não consegui ter certeza se os animais eram realmente maltratados. Obtivemos fotos de uma pessoa que leu a denúncia e foi conferir pessoalmente, viu que os animais bebem água através daqueles bebedouros presos. Então, a denúncia de que eles não recebiam água, por si só, já cai por terra.

Não sou a favor de animais vendidos em pet shops. Mas nem por isso me acho no direito de ‘ajudar’ a massacrar um sem ter certeza.

Ficou uma lição boa: investigar MESMO qualquer informação antes de repassar. Se não é hoax ou spam, pode ser algum mal entendido. Não foi confirmado nada oficialmente sobre a denúncia no pet shop. Mas foi feita uma denúncia aos órgãos responsáveis que deverão averiguar o tema.

Quanto a mim, acredito ter aprendido a ‘refrear os cavalos’ antes de sair correndo. Justo eu, que combato hoax, fazer isso fica hipócrita.

A Internet é uma ferramenta fantástica, saiba usá-la com bom senso. Tome cuidado com o que você divulga, sempre citando as fontes, para não ser responsabilizado por algo que ‘não’ é de sua autoria.

Feliz dia do Orgulho Nerd!

Parte da minha foto publicada no Estadão/JT, caderno Divirta-se

Dia 25 de maio de 1977. George Lucas, aquele ‘tiozinho’ de barba e camisa xadrez revolucionou a história do cinema levando ao público “Star Wars, A New Hope” (Uma Nova Esperança, em português). Criou uma saga que arrebatou gerações, a minha principalmente. O mito do herói e a dualidade bem x mal representada num roteiro ‘capa e espada’ se desenrolando em um universo de ficção-científica. Ele não foi o primeiríssimo. Seria injusto não mencionar Gene Rodenberry, criador de Star Trek (Jornada nas Estrelas) que durante todas as temporadas da chamada Série Clássica lutou bravamente contra preconceitos, patrocinadores, baixas verbas para trazer para a televisão o que inspirou muitos diretores (inclusive o próprio George Lucas, caso alguém não saiba) a criarem seus grandiosos projetos que conhecemos hoje.

George Lucas e uma de suas camisas xadrez. Ao lado de Temuera Morrison como Jango Fett

“Há muito tempo atrás, numa galáxia, muito, muito distante…” é o quote inicial de todos os filmes de Guerra nas Estrelas, que se tornou ‘Star Wars’ com o advento da ‘nova trilogia’. De repente, o 1º, o 2º e o 3º filme não eram mais o IV, V e VI, mas agora, I, II e III. Para mim, se disserem ‘o primeiro’, eu sempre vou pensar em A New Hope. Porém, o meu bom senso me faz perguntar: “Ameaça Fantasma ou Nova Esperança?”. E eu não ligo pra cara feia de quem me olha com desdém como se fosse heresia eu perguntar isso. Eu pergunto, oras pipocas. Pode parecer coisa de velho, mas NO MEU TEMPO só tinha 3 filmes e começava no IV, portanto, eu sempre vou considerar o IV como sendo PRIMEIRO. Porque ele foi o primeiro, oras.

Todo mundo fala que Star Wars é futurista. Principalmente pelo quote “Há muito tempo atrás, numa galáxia, muito, muito distante…”

O fato de dizer ‘há muito tempo atrás’, não significa que está ‘na frente’ do nosso tempo. Pode ter sido ainda ATRÁS do nosso tempo, mais atrás ainda.

Agora temos a moda ‘nerd’. Ser nerd é legal. Big Ban Theory, a série que muitos de nós amamos, se tornou um sucesso imenso, três dos protagonistas visitaram nosso país.

É muito difícil separar o que é ser nerd, definir nerds entre outras coisas, como vêm sendo feito.

Se o carinha aparece vestido de armadura de trooper ele é nerd? Só porque foi passear de armadura no parque do Ibirapuera em São Paulo? Rapaz, sabem há quanto tempo esse tipo de coisa é feito e ninguém saia em capa de revista?

Sem desmerecer o Caio Komatsu, grande amigo nerd e “trooper do trem”, muito antes dele pegar trem vestido como troper, meu amigo Roberto Moriama já fazia isso para ir aos eventos sem ter que carregar a mala grande que guarda a armadura.

Neste caso, não é demérito do Caio, porque ele curte vestir a armadura e sair com ela por aí. Ele se diverte com isso. Assim como meu amigo Moriama, como meus amigos Eduardo Canha, Liko Ono, Siclair, outros que já andaram de metrô inclusive. O Caio foi um dos primeiros a ser documentado fazendo isso. E foi muito legal.

Mas vestir uma armadura, sair na capa de revista porque foi passear no parque fazendo gracinhas, PRA APARECER não é ser nerd, poderia ser o George Lucas de armadura, que ele não seria nerd (já o Steve Sansweet, eu não duvidaria, já que ele é o maior colecionador do mundo de itens de Star Wars, e guarda tudo no seu “Rancho Obi-wan”, que pode ser visitado virtualmente AQUI. :) )

Steve Sansweet e parte da sua pequena coleção no "Rancho Obi-Wan"

O QUE É SER NERD?

Estão me fazendo esta pergunta hoje. Ainda mais depois de eu ter saído NA CAPA do Estadão no final de semana, juntamente com outros amigos nerds, como a Juliana Couto (que foi quem me indicou ao Estadão), do grupo Ars Mediaevalis.

Juliana Couto, minha querida amiga 'Edoras' ou 'Dama do Lago'

O link para a matéria no site está AQUI.

Capa do Estadão dia 20/05/2011

Capa do caderno Divirta-se do JT. Destaque para minha foto com armadura mandaloriana. ;)

 Eu costumo dizer que ser nerd é mais do que uma questão de estilo. Não é vestir a camiseta do Batman, do Lanterna Verde, uma camiseta com Star Wars, Star Trek ou algum filme, simplesmente POR VESTIR. Você comprou aquela camiseta porque gosta daquele tema e ele significa algo pra você. O assunto que você gosta (ou os assuntos, porque a maioria dos nerds é ‘polinerd’, isto é, gosta de MAIS de um tema) é apreciado por você e tem um significado. Você gosta muito daquilo, a ponto de querer expressar isso de alguma maneira, que pode variar desde colecionando itens sobre o tema, usar camisetas com imagens relacionadas ao tema e até mesmo se vestir como personagens do tema, que é o meu caso.

Minhas maiores paixões envolvem Star Wars, Senhor dos Anéis, Star Trek e James Bond. São 4 universos que me atraem muito, gosto deles, li livros (exceto Star Trek) e conheço o assunto de maneira ‘intermediária para avançado’. :D

Mas eu gosto de outras coisas como animes, séries de tv e etc. etc. etc.

No caso de Star Wars, eu coleciono mais livros e gosto de me vestir como os personagens, o que é popularmente conhecido por ‘cosplay’. Coisa que, pra MUITA GENTE MESMO, é rotulado como ‘pagar mico’.

Pra esses, eu só tenho uma resposta: esse sentimento de ridicularização só sente quem realmente tem vergonha de usar um traje. No mais eu sou feliz, paga mico quem me diz, porque eu estou me divertindo e SEMPRE QUE POSSÍVEL, isso envolve alguma ação social.

Exceto o grupo de James Bond, onde o foco do grupo não envolve ‘vestir-se’ como personagens, os demais todos tem essa característica e é muito bem vista. Não temos vergonha de vestir o personagem e quando vestimos, vestimos não só o traje, mas o comportamento e a expressão do personagem. As crianças principalmente, nos veem como esses personagens e esperam de nós o comportamento que eles teriam. Dez anos fazendo isso já me deram muita experiência pra lidar com essas situações e eu continuo amando cada vez mais.

Os grupos que participo: Rebel Legion, Mandalorian Mercs, Império Comando RJ e Blades Saber Team todos envolvem o uso de trajes e participação de membros trajados em eventos. Sejam eventos simples, para pura diversão ou eventos onde somos convidados a participar e em troca, pedimos cestas básicas para serem doadas à entidades carentes. Ano passado conseguimos mais de 60 cestas básicas em participando em eventos ou em eventos organizados.

Em resumo, como disse no Facebook hoje respondendo a pergunta “Porque você tem Orgulho de ser nerd?”

Porque nunca me importei com modismos e sempre fui muito feliz expressando as coisas que gosto, seja usando trajes dos personagens que adoro, seja encontrando amigos ou ‘lutando’ com sabre de luz. Eu sou assim e nunca deixei que isso me mudasse. :)

Indo além, não deixei que o preconceito que sofri de amigos me fizesse desistir do que gosto para ‘me encaixar’ num grupo. Aguentei muita tiração de sarro sim, mas por mais triste que ficasse, procurava ignorar. Hoje, aos 40 anos, acredito ter ganho o respeito desses amigos antigos que ‘não entendiam’ lá meu jeito, achavam isso infantil ou etc, e até da minha família (meus sobrinhos ficaram orgulhosos da foto no jornal, meu tio mandou o jornal pra minha mãe… Enfim…).

O que antes era ridículo perante os demais, agora se tornou natural. Isso eu acho bom por afinal, me incomoda menos. Não recebi UMA MENSAGEM tirando sarro por eu ter saído na capa do jornal vestida como Jedi. Melhor ainda, amigos que não são nerds me parabenizaram também. Isso para mim foi muito mais significativo do que ter aparecido no jornal em si. Essas pessoas foram atrás da matéria pra tentar entender o que é ser nerd e porque eu estava ali, na capa do jornal representando ‘todo um universo de fãs’ no Brasil inteiro.

Voltando ao título do post, hoje então, dia 25/05 é considerado o dia do Orgulho Nerd. A data veio do lançamento do Episódio IV, Uma nova Esperança. Foi também encampada para o Dia da Toalha, em referência ao ‘Guia do Mochileiro das Galáxias’ de Douglas Adams, que diz que o item essencial que todo mochileiro deve ter em sua mochila é A TOALHA. É a data de nascimento de Douglas Adams. Aliás, se você não leu o Guia do Mochileiro das Galáxias, LEIA! É muito divertido.

Enfim, obrigada pelos peixes!

E que a Força lhe dê uma vida longa e próspera.

De volta: meme e selos…

Como a vida é engraçada e a sincronicidade do universo, fantástica. E mesmo sabendo disso, ainda me surpreendo quando determinadas coisas acontecem.

Estava eu, há semanas me ‘cobrando’ um tema para voltar a alimentar este espacinho virtual abandonado e esquecido. Mas a preguiça imperava, outras coisas se tornavam prioritárias e fui deixando. Até que…

Ela. É. A culpa é TODA dela. Culpa esta que tenho certeza de que ela vai assumir com orgulho e ainda dar risada.  Silvia, a autora do “Reflexões de uma mulher de quarenta… e muitos” recebeu selinhos e memes.  E os distribuiu para amigas blogueiras. E eu sou uma das escolhidas.

Então, não tive alternativa senão parar e me dedicar a receber os selinhos (que são fofíssimos!) e claro, os memes.

Mas que car%$# é meme?

Oooolha, que é feio escrever palavrão. Mas o blog é meu e ele não é democrático, eu escrevo o que eu quero.

Meme. O que diabos é isso, senhor! Eu vejo isso escrito em vários sites e posts na cybernet afora e nunca consegui compreender seu significado. Hoje, me vi forçada a consultar “São Google“, o padroeiro dos desinformados.

Meme então, vem das mímicas. Repetição. Imitação, como espelho, feito em antigos esquetes mudos de comédia, por exemplo. É repetir algo. Sim, este é meu entendimento sobre meme, se não for correto, alguém vai me corrigir. :)

No caso ‘internáutico blogueirístico’ (inventei legal agora!), é quando um autor de um blog (no caso), faz uma proposta de tema, escreve sobre o mesmo e convida amigos blogueiros para escreverem sobre o mesmo tema. Sacou? Isso é ‘meme

Não confundir ‘meme’ com ‘mimimi’. Mas mimimi fica pra outro post, outro dia, é outra história.

Então, no estilo mais ‘Quadrilha’, de Carlos Drummond de Andrade, a Larissa mandou para a Silvia que mandou para Aline, Lisa “Buir”, minha irmã-clone Tequinha e Isa (oi Isa, muito prazer, adorei seu blog!) .

Stylish Blog Award

Junto com este selinho, tenho que dizer 7 coisas que ninguém sabe a meu respeito.

*pausa para suspense… risada macabra do final de ‘Thriller”…*

Há alguns anos eu poderia dizer: “Ora, minha vida é um livro aberto!”, porque era. Eu escrevia tudo no meu primeiro Blog, saudosamente chamado “Diário de um Gatinho”, que me rendeu, na época o apelido de “Dona Gatinho”. Transformei o espaço virtual num diário aberto. E isso me trouxe problemas que só a maturidade me mostrou. Doeu. Mas vamos lá.

Agora vocês vão conhecer 7 coisas que ninguém sabe a meu respeito (a ordem dos itens não significa importância):

1-) Na adolescência, pratiquei pequenos furtos numa papelaria em frente ao colégio.

Não acho isso bonito, tampouco me vanglorio. A papelaria era grande e tinha uns itens daqueles japoneses importados baratinhos, mas que eu não tinha dinheiro pra comprar (minha mãe sempre regulou dinheiro e não tínhamos mesada). Aliás, itens importados na década de 80 eram raros. Justifica, mas não explica. Shame on me. NÃO FAÇA ISSO VOCÊ! É errado!

2-) Duas das minhas 6 tatuagens foram feitas para homenagear pessoas importantes na minha vida.

Não perguntem pq eu NEM vou falar quais e tampouco, quem (aliás, acho que do meu círculo todo de amigos atual, ninguém conhece e do antigo, UMA pessoa apenas conhece e NÃO ESTÁ AUTORIZADA a dizer (isso se souber também, heheheh).

Hã? Não sabia que eu tenho SEIS tatuagens? Ah, sorry, é que a maioria sabe, então, não era algo que NINGUÉM sabe. E obviamente, duas tatuagens, cada uma para uma pessoa diferente. Sem perguntas.

3-) O único filme de James Bond que eu assisti INTEIRINHO do começo ao fim em TODA MINHA VIDA foi Cassino Royale

O.O (agora choquei a comunidade ‘james bondiana’)

Quê? Não, não assisti nenhum dos outros 20 inteiros. Aliás, se assisti algum outro, acho que foram DOIS e do meio pro final ou um trecho apenas.

Como é que sou fã de James Bond? LIVROS, queridos. LIVROS. Essa maravilha espetacular que nos leva para mundos e lugares fantásticos e nos faz sermos heróis de qualquer aventura. Além disso MUITOS documentários, aliás, TODOS OS POSSÍVEIS E IMAGINÁVEIS envolvendo esse agente secreto maravilhoso, estupendo, fenomenal que NEM DE LONGE pode ser parecido com Daniel Craig, um brucutu tampinha com cara de Barney Rubble. Não me critiquem, opinião é como cú, cada um tem o seu e cuida dele como quiser. :)

4-) Eu levei uma cantada de um dos membros daquela banda antiga, chamada Viper, numa balada há muuuitos anos atrás (muitos MESMO).

Eu estava ligeiramente alcoolizada (naquela época eu bebia, olha só!), ele também e entre uma ‘piadinha’ e outra ele soltou a cantada, eu fingi que não ouvi e ficou tudo por isso mesmo. Não me vanglorio de cantadas, acho que é bom pro ego e não preciso ficar espalhando. Duas pessoas hoje em dia podem até saber disso. Mas duvido que se lembrem, é realmente ‘muito’ velha a história

5-) Se eu tivesse um filho, ele iria se chamar Ricardo.

Nunca tive filhos e nunca comentei muito sobre isso. Mas eu sempre quis ter um menino e ele se chamaria Ricardo. A idéia original seria Richard, mas pra não complicar a coisa para a criança na escola, decidi usar o nome em português. De onde eu tirei? Minha essência Nerd já existia na adolescência mas eu NEM imaginava. Havia um desenho o qual não lembro o nome agora, mas os personagens principais eram os filhos do Fantasma, do Flash Gordon e não lembro mais quem. O filho dele era um garoto loiro chamado Richard. E eu achava lindo. Anos depois, vi que o significado também era bonito e ficou decidido. E guardado, já que não concretizei esse projeto.

6-) Eu deixei de me prevenir contra gravidez no meu segundo casamento, para tentar engravidar.

Mas não anunciei para o mundo, porque isso cria expectativas. Decidimos, eu e meu marido que poderíamos tentar. Sem neuras e estresse. Se viesse, seria bem-vindo. Se não, paciência. Então, oportunidade eu dei (literalmente até, hehehe). Mas não aconteceu. :)

7-) Eu desenhei Heidi, esposa do ex-tecladista do a-ha, Magne Furuholmen (na época, namorada) e entreguei para ele o desenho PESSOALMENTE.

1992, Royal Palm Plaza Hotel, em Campinas. Fui arrastada até a piscina, onde ele estava. Arrastada, pq eu não queria interferir no momento de lazer dele. Por mais que eu ‘ame’, ‘idolatre’ ou etc alguém, eu DETESTO interferir nos POUCOS momentos de privacidade que essa pessoa possa ter. Mas a moça em questão, amiga minha, não quis que eu perdesse a chance. Me arrastou pra lá. Pediu pra mim um autógrafo e eu entreguei o desenho. Ele estava conversando em norueguês com o pai de Morten Harket (o vocalista) e parou para olhar. Admirou rapidamente meu trabalho (que sem modéstia alguma ESTAVA BOM) e agradeceu, me dando o autógrafo. O que ele fez do desenho? Não faço a mínima idéia. Não, não tenho cópia do desenho, eu tinha mas SUMIU e não tinha câmera pra tirar foto com ele. E ele não foi NADA simpático na ÚLTIMA turnê da banda no Brasil antes dela se ‘desfazer’, simplesmente fugiu dos fãs. Lamento que ele houvesse passado muito mal dias antes e proibiu a divulgação desse fato, pois como fã EU ao menos teria compreendido e não teria xingado tanto a boa senhora dona Lise Furuholmen (mãe do rapaz) por isso.

Vamos ao segundo selinho, que isso já vir0u novela mexicana. :)

Blog apaixonante

Este selinho, demanda um questionário. Lamento porque o post vai ficar MAIS longo ainda. :P

01. Pegue o livro mais perto de você, abra na página 18 e encontre a 4ª linha:  

” (…) cava que ele era o meu único amigo.
(O Mar de Monstros – Rick Riordan – livro 3 da saga Percy Jackson e os Olimpianos)

02. Estique seu braço esquerdo o mais longe que puder. O que você encontra? 
A estante do escritório me limita, é o mais longe que posso.

03. Qual foi a última coisa que assistiu?
Um episódio do Peixonauta com a Laura, agora pouco antes dela dormir.

04. Sem olhar o relógio, que horas você acha que são?
23:40

05. Agora, olhe no relógio. Que horas são? 
23:57

06. Sem contar o barulho do computador, o que mais está ouvindo?
O tic-tac do relógio da cozinha e a ventoinha do computador do Milton atrás de mim. Ah, as bolhinhas do gás da Coca-Cola que estou tomando.

07. Quando foi a última vez que saiu? Onde foi?
Hoje pela manhã, fui a um evento na escola da Laura.

08. Antes de começar esse questionário, o que estava fazendo?
Escrevendo o post de cima, citando 7 coisas que ninguém sabe sobre mim.

09. O que tá vestindo? 
Roupa. :P
Uma calça de moletom e uma camiseta branca com desenho da cara de um gato.

10. Você sonhou a noite passada? 
Cara. Muito bizarro. Estava num mega evento (muito grande), chegou o João Marcos do Conselho Jedi Bahia e antes que eu pudesse abraçá-lo e dar as boas vindas minha mãe (!!!) o fez. Depois, eu estava circulando no evento e precisava pegar meu sabre para a apresentação do Blades, abri meu estojo e o sabre que estava lá NÃO era meu. Era outro e quando acendi, a luz era vermelha. Olhei o hilt e era do Rodrigo. O sabre estava quebrado e eu fiquei branca, “Puta merda, quebrei o sabre do Rodrigo, mas como ele veio parar aqui?”.
(Acordei com o telefone, o Milton me avisando que o evento era 8:30 e não 10:30 como eu havia lido.)

11. Quando foi a última vez que você deu risada?
Há algumas horas atrás, com a Laura.

12. O que acha da pessoa que te indicou este desafio?
Um anjo de Deus, daqueles que abençoam nosso caminho e iluminam a nossa vida com seu amor, amizade e fé.

13. Viu alguma coisa esquisita há pouco tempo?
O Tamuz (nosso cão) não quis comer o jantar dele. Isso é simplesmente fora do comum.

14. Qual foi o último filme que você assistiu?
Mamma Mia

15. Se você se tornasse milionário da noite para o dia, o que compraria?
Pagaria todas minhas dívidas primeiro. Depois veria o que comprar.

16. Uma coisa sobre você que eu não saiba.
Pô, já contei 7 lá em cima, sobe lá e vê, por favor.


17. Seu estado de espírito agora.
Cansada, muito cansada…

18. Se você pudesse ser qualquer mulher famosa, qual seria?
A fama é cansativa, quero ser eu mesma.

19. Imagine que seu primeiro filho seja uma menina, como a chamaria?
Laissa

20. Imagine que seu primeiro filho seja um menino, como o chamaria?
Ricardo

21. Você pensa em morar fora?
Não sozinha.

22. O que você mais quer agora?
Terminar este questionário pra tomar banho e dormir…

23. Qual a pessoa mais importante na sua vida?
A Laura.

24. Qual seu sonho para curto prazo?
Pagar todas as minhas dívidas e ir à Celebration V.

Bom. Agora, pelo que entendi, tenho que escolher alguns novos felizardos para este meme. :)

Vamos ver…

- Seu Lobo, autor do Opa! fiz besteira
- Letícia, d’ O Universo Paralelo
(Ela não sabe quem eu sou, eu acompanho o blog dela por indicação de um amigo a quem quero muito bem. Bom, vai descobrir agora)
- Rob Gordon, do Championship Vinyl
(embora eu acredite que ele não vá fazer isso, porque não é o estilo do blog dele, fico curiosa imaginando como ele lidaria com uma lista das 7 coisas que ninguém sabe sobre ele…)
- Patthy, do Patthy… Bondgirl Patthy
E como disse a querida Silvia: aceita quem quiser. E a recusa não é desfeita, é direito adquirido! :D

Inesquecível…

“- Você consegue ver alguma coisa? – Ela disse curiosa.

Eu olhei por cima daquela parede de lençol, não tão curiosa. Estar numa sala de operação não era exatamente algo que eu imaginara em minha vida, embora no meu íntimo, sempre guardei comigo o desejo de vivenciar aquele momento.

- Na verdade vejo que eles estão mexendo na sua barriga. – …“E tem muito sangue também…” mas esse comentário guardei pra mim. Não era algo legal a se dizer naquela hora.

- É, eu sinto que estão mexendo, é esquisito. – Ela disse com um sorriso amarelo.

Eu toquei seus cabelos longos com carinho e beijei-lhe a fronte.

- Mas dói? – Perguntei aflita e olhando de novo. O médico japonês estava quase entrando dentro da barriga dela e tentei não expressar nada que a deixasse preocupada, mas aquilo me impressionou deveras.

- Não, não dói, é esquisito, apenas sinto que estão mexendo lá dentro. – Ela disse, respirando cansada.

- Está nervosa?

Pergunta idiota, mas nada mais inteligente me ocorreu no momento.

- Estou enjoada… – Ela disse fazendo uma careta. – Mas estou nervosa também.

Um dia, há anos atrás na nossa adolescência, naquelas conversas que só amigas tem antes de dormir, comentamos sobre como seria ter filhos. E ambas demos risadas, tão jovens, ter filhos não fazia parte dos nossos planos. Bom, existia a ideia, mas concretizá-la estava além de qualquer plano naqueles dias.

Como diz o ditado, muita água passou debaixo da ponte. A ponte quase rompeu de fato, mas aos poucos o tempo ajudou a reconstruir.

Depois de uma gravidez conturbada, cheia de mal estar, dores entre outras coisas, lá estávamos nós. Eu segurava sua mão. Ela estava com o rosto pálido. Anestesia sempre fazia com que passasse mal e vomitasse. Quem inventou a expressão “Ser mãe é padecer no paraíso”, só podia ser homem. Aliás, como o salto alto né?

Ahm, onde estava? Ah sim, na sala de parto.

- Você quer ver agora? Vamos tirá-la. – Disse o outro médico, um senhor alto, cabelos grisalhos.

Eu olhei para ela. Ela fez que sim com a cabeça.

Ainda segurando sua mão, andei um pouco para frente e vi quando saiu. Ou melhor, foi retirada.

Com cuidado, ele a tirou lá de dentro. Segurando firme, mas delicadamente, o pescocinho e o corpo. Vermelhinha, com toda a gordura que a envolvia naquele momento, a Laura nasceu.

E então o tempo parou para mim. Se me perguntarem se eu estava respirando, eu não sei dizer. Não sei dizer nem a cor dos trajes que usava (daqueles para operação), embora me recordo de ter olhado no espelho minutos antes na sala de preparação e ter a impressão que entraria no set de “E.R.” e daria de cara com o Dr. Carter.

Foi então que aquele ser pequenino se manifestou, mostrando ser dona de uma boa garganta.

A enfermeira a envolveu em toalhas (ou panos, não sei!) e trouxe pra perto de nós. Ela chorava assustada. Saiu de dentro daquele local quentinho, confortável e seguro. Havia muita luz, ruídos e tudo novo. Deuses, nascer deve ser traumático, ainda bem que a gente esquece.

Ela colocou a cabecinha da nenê perto do rosto da mamãe.

- Schh… Está tudo bem, mamãe está aqui. – Ela disse.

E a bebê parou de chorar na hora. Aquilo também me impressionou. Sim, os bebês reconhecem as vozes MESMO.

A enfermeira avisou que a levaria para limpar e etc e logo ela estaria no berçário.

Nos olhamos e então, choramos emocionadas. Depois de 9 meses com milhares de coisas acontecendo, dificuldades e tudo mais, ela nasceu.

- Obrigada por ter ficado comigo. – Ela me disse apertando minha mão. – Teria sido mais difícil sozinha.

- Obrigada por me deixar vivenciar este momento com você. – E enxugando as lágrimas eu tive certeza de que NADA mais poderia marcar minha vida como aquele momento.”

Fazem três anos que isso aconteceu. Mas eu me lembro como se fosse ontem e sinceramente, acho difícil eu vivenciar algo na minha vida que possa superar a emoção de ver o nascimento da minha afilhada.

Mas se não fosse a determinação e dedicação da mãe dela, ela não estaria aqui.

Então, o post de aniversário da Laura é dedicada a Samara, que trouxe ao mundo nossa tartaruguinha querida e que agora, completa seus 3 aninhos.

Esse sorriso vale mais que milhares de palavras. Feliz aniversario, Laura!

E claro, não posso deixar de agradecer ao Papai por sua colaboração essencial desde o primeiro minuto e principalmente, por ter permitido que eu o representasse ao lado da Mamãe, já que ele passa mal com sangue e afins.

Férias – Prólogo

Estar de férias não é simplesmente falar: oba, estou de férias.
É também um estado de espírito. Para alguns, é a oportunidade de cuidar de coisas da casa que não podem ser feitas no período normal enquanto trabalham (lá em casa é assim). Porém, isso não é desgastante não. Vejo que minha irmãzinha e meu primo estão bem mais ‘descansados’, embora trabalhando muito para arrumar armários, limpar a garagem entre outras coisas que precisam ser feitas.
O fato de não ter que acordar cedo para sair para trabalhar afeta muito. Mesmo que você tenha que acordar cedo, NÃO É para trabalhar. E algo que eu tenho GOSTADO MUITO é que estamos tomando café da manhã juntos todos os dias. Aliás, praticamente todas as refeições estão sendo feitas à mesa, com todos nós e a Laura em volta. Isso MUITO me agrada e me faz feliz.

Mas todos temos que nos refugiarmos em algum canto, recanto, enfim, um local para recarregar as baterias. Não é segredo para os amigos próximos que eu sempre que posso visito minha aliit no interior. Eu gosto da cidade pacata, com sua característica provinciana, porém já com a modernidade ‘englobando’ partes dela.

Quem é autônomo dificilmente consegue férias. Porque se você não trabalha, não ganha. Então férias são bem planejadas para suprir o período sem trabalho. A vantagem do meu trabalho é que, havendo um PC compatível com os programas que uso e conexão com a Internet eu posso trabalhar em qualquer lugar. E aqui na casa do Buir, é assim.

Então, eu entrei de férias hoje. Estou aqui, cercada pelos cães e a gatinha, as meninas preparando o jantar na sala e vendo novela, Buir já foi trabalhar. Porém, ainda tenho que concluir um trabalho que acabou se estendendo um pouco além do planejado.

Mesmo tendo que trabalhar, é férias. Estou em outra cidade, com mais amigos queridos. E há muitos planos (elas costumam fazer planos quando eu venho pra cá e geralmente temos uma agenda cheia de atividades, mesmo aqui em casa!) para depois que eu entregar meu trabalho. Inclusive uma viagem para o ‘interior’ (e eu que já acho que aqui é interior).

Soube que vamos para um sítio numa cidade próxima. O local tem eletricidade (me falaram para me ‘acalmar’, mas se não tivesse, não me importaria), mas a casa vive do que a horta produz. Há um pomar, porcos e muita coisa legal para se ver.

Há muito tempo, venho esperando por uma oportunidade de ter um contato mais ‘próximo’ com a natureza. E um lugar desses é perfeito e adequado. Eu ‘devo’ satisfações a algumas entidades (porque EU sinto que devo, não fui cobrada) e preciso fazer as pazes comigo mesma. Estou muito contente que teremos esta oportunidade. Criatura urbanóide como sou, a última vez que estive num local assim era criança, lembro de ter tomado leite num copo que foi tirado ‘direto’ das mamas de uma vaca. Quentinho, forte… E só. Claro que tive contat com animais de fazenda, já andei a cavalo, coisa que muito me agrada. A liberdade de estar sobre um animal que corre ‘com o vento’, é indescritível em palavras. Senti como se voasse. Nunca vou esquecer essa experiência.

Aonde vamos, não há cavalos. Mas não tem problema. Estou muito ansiosa e animada com a experiência que vou vivenciar. É algo totalmente novo e agora com todo o conhecimento e experiência que tenho acerca da importância da Natureza e tudo que ela significa sem dúvida, acredito que será ÍMPAR.

Não creio que haja Internet por lá e sinceramente, não me importo. Como me informaram antes, trouxe toda a saga do Percy Jackson para ler, além da Lenda de Sigurd e Gudrun e mais um bordado para terminar. Parece que há televisão lá, mas eu nunca fui muito fã de televisão então, provavelmente aproveitarei para por boa parte da leitura em dia nesses momentos, eu imagino. Mas nada está planejado e isso é fascinante. Ir para um lugar, onde não sei exatamente como vai ser, totalmente estranho mas perto da natureza, onde o relógio não norteia muita coisa a não ser refeições e o horário da novela (acontece, ué) me parece muito atraente.

Estou muito feliz por essa oportunidade e agradeço de coração aos Deuses por ela. É um presente entanto. Muito obrigada.

Mas até lá, tem alguns dias e vamos ‘nos falando’.

Boas Festas

Pois é,

Eu fiquei pensando, planejando e tentando achar uma maneira criativa e diferente pra dizer Boas Festas pra todo mundo. Não achei, então vai assim mesmo.

 Que todas as bênçãos mais iluminadas e cheias de amor caiam sobre seus lares como se fossem floquinhos de neve douradinhos.

Já que pedidos foram feitos pro papai Noel, agora é hora de agradecer…

Agradeçam pelo que vão comer, pois foi preparado com carinho e a mesa estará farta de alguma forma;

Agradeçam a cada abraço de seus familiares, filhos… Eles não estarão aqui para sempre…

Agradeça aos seus antepassados… graças a eles, você existe.

Agradeça àqueles que não estão mais entre nós: de alguma maneira, eles olham por nós e tiveram sua importância em nossas vidas.

À meia-noite é costume de alguns fazerem orações. Façam mesmo. Passamos boa parte da nossa vida sempre pedindo, pedindo, as vezes reclamando. Que tal agradecermos um pouco mais?

 Muito vem do fruto de nosso esforço e trabalho. Porém, em toda crença há uma entidade ou um plano superior/invisível que também dá uma forcinha. Agradeça a Ele/Eles também.

 Pensem só um poquinho no planetinha. Como se vc fosse um astronauta no espaço e pudesse tê-lo em suas mãos. Pense nele e deseje tudo de bom pra ele inteirinho. 

Isso tudo parecem detalhes. Mas é uma maneira de fazer a diferença.

 Boas festas a todos, obrigada pelas visitas e os comentários. :)

 Um grande beijo.

Marycota, On-line desde muito tempo atrás, numa galáxia distante…

Carta aberta ao Papai Noel

Querido Papai Noel,

Nem sei direito como começar esta carta. Acho que é a primeira vez em minha vida que escrevo para você.
E, como todas as cartinhas que recebe, eu venho por meio desta fazer meus pedidos para este natal.

Talvez você não possa atendê-los. Mas pode encaminhar ao departamento ou pessoa(s) responsável(veis). Pessoas importantes como você, possuem sempre uma boa rede de contatos.

Antes de mais nada, quero agradecer por você existir e fazer a vida de milhares de crianças no mundo todo mais colorida. Vejo seus representantes nesta época do ano, nos shoppings centers, lojas e etc e não consigo deixar de sorrir: você está vivo e presente sempre.

Eu sei que neste ano não fui exatamente uma boa ‘menina’. Mas espero e conto com sua compreensão para o fato de que nós, seres humanos, cometemos erros. E pode parecer chavão, mas eu tenho ciência deles. Não gostei de tê-los cometido, mas graças a eles, pude e posso aprender a ser alguém melhor.
E estou contente, sabe, Papai Noel, pois mesmo com esses erros, eu sinto que me tornei alguém um pouquinho melhor este ano. Ainda estou longe, muito longe do que acredito ser ideal (não confundir com ‘perfeição’), mas sinto que consegui subir um degrau na minha escadinha.

Sendo assim, eu peço humildemente:

- Que eu possa amadurecer ainda mais sem perder a magia da minha criança interior. Isso não é nada fácil nos dias de hoje e equilibrar isso é um desafio entanto, o qual eu decidi encarar.

- Que eu possa aprender com meus erros e melhorar. Aceitar o erro é o primeiro passo. Que eu possa dar o segundo passo e evoluir, aprendendo com ele e me tornando alguém melhor.

- Que eu possa confiar mais em mim mesma, para poder concluir e realizar muito mais. Eu tenho capacidade, eu tenho inteligência e condições. Preciso me organizar decentemente e por a mão na massa.

- Que eu possa ser mais útil a quem precisa. Que eu possa ser alguém que faz a diferença e movendo minha engrenagem faça o mundo inteiro ser um lugar melhor.

- Que eu procure sorrir mais e me divertir com o que é diversão. Deixar a seriedade para o que é muito sério.

- Que eu coloque as prioridades nos devidos lugares, me organizando e assim, realizando cada vez mais meus próprios desejos e auxiliando os outros.

- Que eu seja menos impulsiva. É, eu sei, Papai Noel, é difícil essa, mas estou melhorando. Você sabe pois acompanha desde minha tenra infância e eu melhorei muito. Mas preciso melhorar mais. Se puder me ajudar eu agradeço (sua torcida já é bastante!)

- Que eu possa continuar sendo o instrumento de cura da energia Reiki e colaborando para ajudar quem precisa.

- Que eu possa compreender melhor o outro, perdoar principalmente. É difícil às vezes, mas já aprendi que se eu não perdoo, não fico em paz. Nem é por questões religiosas, são questões pessoais mesmo. Guardar esses sentimentos de mágoa, rancor e raiva não me ajudam, só me atrapalham.

- Que eu possa fazer a diferença POSITIVAMENTE. Esse é um dos meus objetivos mais importantes, eu desejo de verdade conseguir atuar dessa maneira.

E por último, mas não menos importante: que eu tenha saúde para realizar tudo isso, que eu tenha determinação para seguir em frente mesmo quando tudo parecer perdido, que eu tenha coragem para enfrentar todos os meus medos e vencê-los, mas sem perder a prudência e cuidado.

Obrigada por sua atenção, Papai Noel.
Que você tenha um excelente Natal e seu trabalho saia de acordo com o planejado.

Atenciosamente,

Mary Farah

PS: SE não for incomodar muito, aquela guitarra para PS2/PS3/Wii será muito bem-vinda, viu? :)

Histórias de rede sem fio

Então.

Nesse nosso mundo de redes, as redes wireless se propagaram feito xuxu na cerca.

Vivendo numa rua onde existem várias empresas e sendo o alcance das redes um tanto quanto ‘amplo’, é inevitável que você reconheça a rede do seu vizinho ou ele reconheça a sua.

HISTÓRIA UM

Certa vez, no dia da implosão do Carandiru, um certo gordinho simpático saiu munido do notebook de sua esposa caminhando pela rua. O objetivo: descobrir o alcance da rede.

Até então, era a única na rua. Ou pelo menos nos arredores, pois ao fazer uma busca, nenhuma outra aparecia.

E la foi o gordinho simpático caminhando, de notebook na mão. Parava, testava… caminhava.

Obviamente isso despertou a curiosidade de outros moradores e em certo momento o gordinho simpático foi indagado sobre o que fazia.

- Sou engenheiro e estou testando o alcance da implosão do Carandiru, senhora.

Claro que a curiosa idosa ficou preocupada.

- Oh e o senhor acha que vai chegar até aqui?

- É bem provável, mas estou fazendo cálculos para evitar isso.

E claro, a rua toda soube que o gordinho simpático era engenheiro e podia mandar implodir o Carandiru daquele simpático notebook cor-de-rosa (mal sabia a esposa que ele levou o equipamento para a rua! Justo ela que sempre morreu de medo do aparelho ser roubado!).

Ah, sim, a esposa e sua melhor amiga estavam passeando em outro ponto da cidade naquele momento, totalmente alheias ao fato.

Conclusão: a rede da casa alcança até o começo da rua, na entrada da mesma, pois foi até lá que o sinal funcionou no notebook da esposa do gordinho simpático.

HISTÓRIA DOIS

Mudou-se para a casa vizinha uma empresa de contabilidade. A casa foi totalmente reformada, janelas trocadas, toda modernizada.

E obviamente, um tempo depois, a contabilidade passou a ter rede sem fio.

Então. O gordinho simpático (lembram dele?) começou a perceber que sua Internet por vezes ficava muito morosa. Configurou a rede como segura, limitando o acesso da mesma. Porém, por ser um gordinho simpático, deixou uma pequena ‘banda’ disponível. Afinal, coitados dos funcionários da casa vizinha… Eles usavam a rede do gordinho simpático vez ou outra e só para navegação (conforme ele já havia averiguado). Que mal fazia?

Não interferia na produção diretamente, já que o gordinho simpático trabalhava mais com programas de funcionamento local e nem tanto com a Internet.

Mas (toda história tem um “mas”), a prima do gordinho simpático trabalhava em casa também. E ela usava a Internet com muita frequência, não só para uso de buscas e pesquisas, mas também, para usar algumas ferramentas remotas conforme solicitação de alguns clientes. E nesses dias, a pequena banda destinada aos vizinhos (sabe como é, política da boa vizinhança) acabava atrapalhando um pouco (ou pelo menos é isso que a prima pensava, já que o entendimento dela sobre o assunto é muito básico).

Não importa o motivo, mas o gordinho simpático passou a ser bombardeado de reclamações sobre a lentidão da rede.

Até gordinhos simpáticos têm limite na sua paciência e simpatia. E a prima achava que ele não estava ciente do que ocorria, perguntava várias vezes sobre o que estava acontecendo.

Um dia, após monitorar o acesso dos vizinhos por um tempo, o gordinho simpático decidiu que era hora de conversar com os vizinhos.

Mas era preciso usar algum artifício, porque só chegar lá e simplesmente reclamar poderia soar chato. E o gordinho simpático não queria ser chato.

Pacientemente, o gordinho simpático acessou a rede do vizinho… E descobriu que a impressora estava na rede e compartilhada.

Fazendo a devida instalação dos drivers necessários, o gordinho simpático mandou imprimir uma série de documentos na impressora do vizinho.

Enquanto isso, ele imprimiu em sua casa um registro do acesso feito pelos vizinhos em sua rede.

Munido da listagem de acesso, lá foi ele com seu jeitinho peculiar tocar a campainha do vizinho.

Quem atendeu, por um acaso, foi o dono da empresa.

- Oi, eu sou seu vizinho. Eu mandei imprimir umas provas na sua impressora, será que o senhor poderia me entregar?

- O que? Na minha impressora? Mas isso não pode!

- É, mas a sua rede está aberta. Então eu achei que não se importaria. Aliás, gostaria de alertá-lo que seus funcionários estão fazendo download de pornografia usando a minha rede.

- Isso é impossível! – Disse o dono com sua impáfia. – Meus funcionários não fazem isso.

- Olha, lamento. Mas eles não só fazem, como estão fazendo neste minuto. Veja aqui. – E o gordinho mostra o papel impresso. – Esta máquina está neste site, e esta aqui também. Estão baixando filmes pornô usando a minha rede. Agora, o senhor pode por favor me entregar minhas provas?

O dono da empresa chamou uma secretária, que rapidamente providenciou a entrega dos documentos impressos. O gordinho entregou ao dono a listagem das máquinas que acessavam sua rede e foi para casa sorridente com as provas em mãos.

Curiosamente, a rede do vizinho sumiu. E sua rede não foi mais acessada.

A conclusão? Esta fica por conta de vocês.

FIM

AVISO:
Esta NÃO é uma história de ficção. Qualquer semelhança com pessoas que você conheça relacionadas a autora deste texto NÃO é mera coincidência. Nenhum notebook foi danificado na ação destas histórias. O Carandiru foi implodido, mas NÃO FOI o gordinho simpático quem apertou o botão. Embora a filha do gordinho simpático seja muito espoleta, ressaltamos que ela não era nascida por ocasião da primeira história e estava na escola por ocasião da segunda. Os diálogos foram inventados pela autora. Ambas as histórias foram contadas com a devida autorização do gordinho simpático.

Uma boa quarta-feira a todos. :D

Obrigada, Cleo…

Querida Cleo,

Nunca imaginei que amaria tanto você quando te vi pela primeira vez.
Naquela época também nem imaginava que moraria com você. Como as coisas mudam né?
Quando eu cheguei na casa, você já estava lá e deixou claro que o território era seu. Tanto que o papai procurou uma companheira pra você, para que você aprendesse que você era uma gatinha e não gente.

E não é que deu certo?

Novinha, muito levada e arredia. Rosnava para mim, não me deixava pegá-la enão foram poucas as vezes que brigamos. Quando você foi castrada então, tentou me morder, eu liguei chorando pro papai desesperada. Mal sabia eu que você ainda estava sob efeito da anestesia e não me reconhecia. Nós humanos somos meio lesadinhos às vezes.

Muito abusada você se deitava no meu colo na cama, no inverno e se eu me mexia, rosnava para mim. Hehehe, e eu botava você pra correr. “Sua folgada! Vc deita no meu colo e não posso nem me mexer?”. E vc sumia.
Mas lá estava você, no dia seguinte, miando na porta do quarto pedindo para ir tomar sol na varanda (quando mudamos para a casa).

Esperava o papai chegar todos os dias, na porta. Eu nem precisava do relógio pra saber. A primeira vez que vc fez isso não entendi nada. Estava trabalhando no quarto, você parou na porta miando. Nem sei como entendi que estava me chamando. Quando me levantei, você andou para a sala, fui atrás. Aí você parou na porta.
Morávamos no apartamento, você não estava acostumada a sair. E foi quando me deu um insight, peguei você no colo e fui pra janela. Olhei para o portão do prédio, nada… Mas… ei… Um segundo depois, lá veio papai caminhando e entrando. “Impressionante, muito impressionante”, Cleo.

Quando veio a depressão e a ansiedade, lá estava você, quieta e carinhosa ao meu lado. Quando não lambia minhas lágrimas, acarinhava sua cabeça em mim, me oferecendo seu carinho. Nós humanos chamamos de terapia da fofura: fazemos carinho em vocês, fofinhos, peludinhos e carinhosos e em troca do carinho, vocês nos consolam. Seu ronronado era uma música pra mim, sabia?

Senti muito sua falta quando mudei. E sei que visitei você pouco, menos do que você gostaria talvez.
Mas você sempre me recebeu bem e com carinho nas poucas vezes em que fui até vcs. Vinha toda dengosa e pedia meu colo.

Você sabia que graças a você, alguns amigos da gente mudaram a opinião sobre os felinos? Pois é. Dois que me lembro no momento são o tio João Eduardo, lá do Rio e o tio Fernando Firpo. Eles não gostavam de gatos, até conhecer você e seus irmãos.

Mesmo longe eu sempre pensei muito e orei pro seu bem e de seus irmãos. E sei que o papai cuidou direitinho de você. A vovó também, aliás, que anjo você, fazendo companhia pra vovó também. Você era espetacular, Cleopatra.

Eu compreendo que seu tempo entre nós acabou, mas dói tanto no momento.
Ainda bem que fui visitar você semana passada, senão não teria me perdoado.

Obrigada por tudo o que fez por nós, Cleozinha. Nunca vou esquecer de você e essas duas ‘jabuticabas’ grandes que são seus olhinhos brilhantes. Sempre doce e faladeira, sempre companheira. Obrigada mesmo.

Você foi muito especial, como todo peludinho costuma ser quando acolhido.
Nunca vou te esquecer… Mesmo.

Um beijo grande, mamãe ama você.
Com carinho,

Mary

Cleopatra (2000 – 2010)

« Entradas mais antigas

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: